Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

 

De: Mim

Para: Avecs *(segundo sabedoria popular, Avec é aquela pessoa que trabalha no Estrangeiro — esse lindo país que engloba todos os outros que não sejam Portugal. — e que vêm de férias a Portugal entre os meses de Julho e Setembro)

 

avecs-avecs-everywhere (1).jpg

 

 

 

 

Como um mal nunca vem só, além de ser segunda-feira ainda é dia de “A Vida Dum Carola” e é com uma combinação vencedora destas que começamos mais uma semana! Quando é que isto melhora?! Na quarta-feira… porque é feriado (não fiquem já com as expectativas muito altas para o “De Mim Para Ti” desta semana)!

Normalmente a segunda-feira marca o início da semana de trabalho, normal como isso, ou talvez não, foi a minha primeira experiência no mundo laboral.

 

Primeiro emprego.jpg

 

 

 

 

20180811_154005.jpg

 

Belo sábado que está hoje para ir à praia e quando não tiverem mais nada para fazer, agarrarem no telemóvel, visitarem este blogue e lerem mais uma opinião sobre uma leitura feita aqui por este _____ (preencher o espaço em branco como quiserem). Sintam-se à vontade, é como se estivessem em ca… na praia! Disfrutem… da praia também!

O livro de hoje, foi um presente e ao mesmo tempo foi a introdução a este escritor muito conhecido, mas que nunca me tinha despertado curiosidade: Pedro Chagas Freitas. Eu tenho a tendência de fugir aos nomes nacionais mais conhecidos (sim, logo eu que sou grande fã de José Rodrigues dos Santos), talvez porque isso tenha evitado ler alguma obra dele.

Até que… li “Eu Sou Deus”. Na capa dizia: “Não: este não é um livro de auto-ajuda. Mas se você o ler pode auto-ajudar-se. Tenha cuidado.”

Não digo que me tenha auto-ajudado, mas ajudou-me a conhecer o autor e uma forma de escrever muito particular de usar as palavras, brincar com elas e até de inventar umas quantas. Fiquei fã e o maior calhamaço da minha estante é dele.

 

 

 

De: Mim

Para: Pai Natal

 

Pai Natal.jpg

 

 

Querido Pai Natal, eu sei que ainda estamos longe da tua época de trabalho árduo, mas existem duas razões para te escrever neste preciso momento: Primeira, é certo que só alguém com uma doença mental muito grave (ainda que não tenha sido diagnosticada por um médico) se ia lembrar de te escrever em Agosto. Pronto, eu sou esse alguém!

Segunda, escrevo-te hoje porque me tens falhado constantemente as entregas que te peço em Dezembro (principalmente o euromilhões e as meninas jeitosas), por isso pensei que era melhor escrever com antecedência e ser logo um dos primeiros a ser atendidos.

Sendo assim cá vai o meu pedido: quero que acabes com o Verão!

 

 

 

 

 

 

Olá a todos, está uma bela segunda-feira… para quem se está a refrescar numa praia ou numa piscina! O assunto de hoje aqui d’A Vida Dum Carola é bastante sério.

Todos nós, adultos (se ainda não és adulto — e embora isso me custe visualizações — a bem da tua sanidade mental, não frequentes este blogue), sabemos que quando somos crianças temos mais certezas que dúvidas, mas com o passar dos anos a coisa vai-se invertendo e chegamos a adultos, cheios de dúvidas: em relação à profissão, ao amor, à qualidade de vida, à saúde, filhos, animais, etc. Dúvidas e mais dúvidas que em criança nem sequer nos passam pela cabeça, senão vejamos: já algumas vez viram uma criança ir à bruxa?!

E o Nuno Carola “versão 6-10 anos” também era assim, cem dúvidas (é cacete será este cem ou o outro sem?! Já estou na dúvida…), tanto que um dia ao olhar para uma publicidade na TV disse à minha avó:

— Avó olha ali, estás a ver aquelas duas bonecas, quero, quero muito, dá-me, vá lá…

 

boneca-inflavel.jpg

Não são destas bonecas, seus tarados!
Quem é hackeou o meu computador?!
P.S: Para desfazer as vossas dúvidas

 

 

 

 

20180806_105946.jpg

 

Olá a todos, volto hoje com as minhas leituras para o mês de Agosto. Desta vez, tentei fazer algo diferente, e entre quatro opções, deixei que votassem no Instagram do blogue para decidirem quais seriam as duas vencedoras e aqui estão elas. De um lado escolheram um best-seller, e foi essa também a minha razão para o comprar! Do outro lado temos mais um daqueles que entra para a categoria muito específica de "Olha bela capa, mas que título estranho... estranho... gosto de estranho... vou levar".  Eu sei que isto já deve ser um estado avançado de adição, mas realmente eu só compro livros por duas razões. por tudo e por nada. Espero que gostem, vão comentado se já leram, se gostaram, se ficaram curiosos. Sintam-se à vontade!

 

 

"O Monge que Vendeu o Seu Ferrari" de Robin Sharma

 

SINOPSE:

 

O Monge que Vendeu o Seu Ferrari é um best-seller inquestionável que oferece aos leitores uma série de lições simples e eficazes sobre como viver melhor. Combinando de uma forma inovadora a sabedoria espiritual do Oriente com os princípios ocidentais de sucesso e trabalho, mostra, passo a passo, como viver uma vida de coragem, equilíbrio, alegria.

 

 

EXPECTATIVA:

 

Sendo um best-seller não significa necessariamente que seja bom. Mas a minha abordagem a este tipo de livros consiste em considerá-lo bom se existir nele alguma lição que possa aplicar no meu quotidiano e que me faça evoluir. Isso já é suficiente. Na pior da hipóteses fico a pensar que houve um doido que vendeu o seu Ferrari...

 

 

"Menina Boa, Menina Má" de Ali Land

 

SINOPSE:

 

Quando Annie, 15 anos, entrega a sua mãe à polícia espera um novo começo de vida — mas será que podemos realmente escapar ao nosso passado? A mãe de Annie é uma assassina em série. Annie ama a sua mãe, mas a única maneira que tem de a fazer parar é entregá-la à polícia. Com uma nova família de acolhimento e um novo nome — Milly —, espera um novo começo. Agora pode ser quem quer. Mas, com o julgamento da mãe à porta, os segredos do passado de Milly não vão deixá-la dormir... Quando a tensão sobe, Milly vai ter de decidir: será uma menina boa? Ou uma menina má? Porque a mãe de Milly é uma assassina em série. E ela é sangue do seu sangue.

 

 

EXPECTATIVA:

 

Quando li a sinopse o meu nível de curiosidade subiu em flecha ao ponto onde acho que todos nós chegamos: assim que chegar a casa vou começar a lê-lo. Para assim que chegamos ao nosso lar, encararmos a dura realidade de termos outra leitura a meio, e a nossa compra mais recente ter que aguardar enquanto nós choramos de ansiedade até, literalmente, pormos mãos à obra! Espero que com as condicionantes que nos apresenta esta sinopse, este livro seja uma montanha-russa de sentimentos contraditórios duma menina de 15 anos que se viu obrigada a entregar a mãe à polícia.

 

Por isso vamos a isso e boas leituras a todos!

 

20180708_192640.jpg

 

 

Olá a todos, bom fim-de-semana e bem-vindos a mais uma opinião aqui no blogue.

Hoje temos uma leitura fresquinha, “O Poder” de Naomi Alderman da Edições Saída de Emergência.

Este livro foi uma das leituras do mês passado (as leituras deste mês de Agosto estão a votações no Stories do Instagram do blogue, passem por lá e votem) e ia com uma grande expectativa para este livro.

A começar pela capa. Que maravilha, quem consegue resistir a não comprar este livro com esta capa tem o meu respeito, é um herói ou heroína!

Depois com a sinopse a nossa curiosidade só tende a aumentar. Não me assusta que na realidade existisse uma mudança de paradigma e que o sexo "forte" passasse a ser o feminino, mas mete-me medo pensar que pudesse ser algo idêntico ao que nos mostra esta história a catapultar essa mudança. No dia em que isso acontecer, minhas estimadas senhoras, eu sou da paz, não me façam mal!

 

 

De: Mim

Para: Ricardo Robles

 

ricardo robles.jpg

 

 

Senhor Ricardo Robles venho por este meio apresentar-lhe o meu apoio, desejando que não desanime, os génios são sempre incompreendidos.

Um homem que há quinze dias era um perfeito desconhecido para 95% da população nacional, é ao dia de hoje um fenómeno conhecido por todos e de quem toda a gente fala. Se isto não é de um génio da valorização, neste caso pessoal, então não sei o que será…

Confirmo que andei a recolher informações (vulgo, vasculhar) a respeito das suas habilidades no que à valorização diz respeito e é mesmo por isso que o estou a contactar.

O assunto que trago aqui refere-se a um imóvel que eu tenho que, sejamos sinceros, só alguém com a sua capacidade deverá conseguir levar a bom porto. Bem sei que o negócio do qual todos falam, não é só seu, se preferir e até para evitar alguns constrangimentos, pode deixar o assunto entregue a algum familiar, maior de idade, do sexo feminino. Está visto que a vossa família assim que mete as mãos no negócio é sempre a subir!

Não lhe vou mentir, estou esperançoso, com a família Robles ao comando é impossível eu sentir-me preocupado ou rob(l)ado e embora estejamos a falar dum imóvel do qual eu não consigo fazer nada e mesmo estando a oferecê-lo, ninguém o quer. Confio em vocês! Vocês não são uma geringonça qualquer que anda por aí perdida sem saber se reclama dos despejos ou da especulação, ou se investem num bloco, claro está, imobiliário!

Para quem conseguiu valorizar um imóvel de 347 mil euros e, com umas pequenas obras, o transformou num prédio de 5,7 milhões de euros, tratar aqui do meu imóvel “entre pernas”, com a sua genialidade imobiliária isto já podia valer qualquer coisa (nem que fossem três minutos de diversão, pelo menos para mim).

Relembro que seria essencial que todas as obras e manutenção fossem verificadas por alguma das mulheres (sempre maior de idade) dessa família rainha na valorização de imóveis, com vista a uma venda em alta deste mal-amado imóvel! Por favor tu és a minha última esperança, não me Rob(l)es uma felicidade dessas! 

Para efeitos legais (nomeadamente: processos por calúnia) e para efeitos ilegais (nomeadamente: levar porrada, forte e feio) a história que se segue, ocorreu exactamente como vai ser contada, no rácio de 0,01% de veracidade. Por isso aos visados(as) peço que compreendam que não podia deixar passar um dia tão marcante na minha vida!

Para quem não sabe, e até para quem sabe, pode parece estranho, mas houve uma altura da minha vida em que a minha auto-estima estava em alta. Contando do chão para cima, tinha a auto-estima bem lá em cima… na linha do tornozelo! Não é para todos!

 

auto-estima.jpg

 

 

 

 

 

 

Olá a todos, hoje venho aqui responder a uma ideia espectacular criada pela mar (fiquei fã do blogue também, a lista "original" está aqui), mas da qual só tive conhecimento por um dos blogues que mais sigo: a mulher que ama livros (podem ver as suas escolhas aqui)! E agora vamos às minhas escolhas, espero que gostem!

 

 

1 - A pensar morreu um burro.

Um livro que enrolou, enrolou, enrolou e parecia nunca mais chegar ao fim.

 

Quando-o-Cuco-Chama.jpg

 

"Quando o Cuco Chama", de Robert Galbraith, o pseudónimo de J. K. Rowling. Não sei o que se passou entre mim e este livro, acho que foi uma relação do tipo "não és tu, sou eu", mas lembro-me de não ter gostado nada. Se calhar a culpa foi mesmo minha, pelo menos tendo em conta as opiniões que tenho lido por essa Internet. É pouco provável que lhe dê uma segunda leitura, mas nunca se sabe...

 

 

2 - Mais vale tarde que nunca.

Um livro de que não estavas a gostar muito, mas depois *puff fez-se luz* teve um final muito bom.

 

13 envelopes azuis.jpg

 

"13 Envelopes Azuis", de Maureen Johnson. Foi uma leitura recente e que tendo em conta o conceito que origina o desenrolar da acção me deixou curioso. Achei até perto do final uma história banal, mas melhorou muito perto do fim. Foi um livro que foi do 8 ao 80!

 

 

 

3 - Antes só que mal acompanhado.

Um livro único (stand-alone) espetacular.

 

13 minutos.jpg

 

"13 Minutos" de Sarah Pinborough. Mais um 13, só que este é um 13 de muita sorte. Adorei este livro, e mesmo quando já estava satisfeito com o suposto final, ainda me conseguiram surpreender na última centena de páginas e tornar este livro um dos meus favoritos deste ano! Recomendo como se não houvesse amanhã!

 

 

4 - A galinha do vizinho é sempre melhor que a minha.

Um livro muitas vezes comparado a livros ou sagas populares, mas que ficou um pouco abaixo das expectativas.

 

Escrito na água.jpg

 

"Escrito na Água" de Paula Hawkins. Desde logo por ser o segundo livro e talvez até por isso, as expectativas que carregava à conta do seu antecessor ( "A Rapariga no Comboio") fizeram com que ficasse um pouco abaixo das minhas expectativas. Gostei, mas não tanto como do primeiro livro da autora.

 

 

5 - Para bom entendedor meia palavra basta. 

Um livro curto, mas bom.

 

O-Homem-em-Busca-de-Um-Sentido.jpg

 

"O Homem em Busca de um Sentido" de Viktor E. Frankl. Devorei este livro. A forma como nos relata as atrocidades que viveu nos campos de concentração é de deixar qualquer um que não passou por aquilo, espantado com a forma como além de conseguir sobreviver ainda conseguiu criar uma terapia que mostra como o fez. Livro enorme!

 

 

6 -Todos os caminhos vão dar a Roma.

Um livrou e/ou universo literário para o qual gostavas de viajar.

 

 

Envelhenescer.jpg

 

"Envelhenescer" de Pedro Chagas Freitas. Quem não gostaria de ser levado para um país onde em vez de envelhecer, ficássemos mais jovens?! Talvez os recém-nascidos não gostassem... É com base nesta ideia doida que se desenrola toda a história e nota-se que o autor pensou em como esta mudança iria afectar tudo e todos no Mundo.

 

 

7 - Quem te avisa teu amigo é.

Recomenda três livros.

 

 

estrada-da-noite-lisboa.jpg

 vozes de chernobyl.jpgo fim da inocência.jpg

 

"Estrada da Noite" de Kristin Hannah: Foi um livro que comprei pelo Círculo de Leitores quase por acaso e ainda bem que esse acaso me deu o prazer de ler este livro. Este livro mexeu comigo desde o início e a certa altura deixou-me com raiva duma personagem (é capaz de ter sido a única vez que isso aconteceu). Adorei e acho que isto nas mãos de um bom realizador daria um bom filme.

 

"Vozes de Chernobyl" de Svetlana Alexievich. Este por se basear em relatos da população afectada pelo desastre nuclear que se abateu sobre eles. Foi para mim, uma grande lição de que temos de pensar nas populações primeiro antes de andarmos a brincar com coisas muito perigosas. Escrito de forma magistral, sentimos a dor de cada uma das pessoas, e por isso é um livro que considero essencial, mas que nem todos podem conseguir aguentar! 

 

"O Fim da Inocência" de Francisco Salgueiro. Este livro já deu origem a um filme (que ainda não vi), mas que para mim foi revelador e ao mesmo tempo assustador de ler a forma de pensar e agir da nossa juventude. Claro que não serão todos assim, mas eu pensava que nenhum jovem pensaria e agiria desta forma! Foi um grande abre-olhos para mim e acredito que o mesmo acontecerá a todos os que lerem este livro. Esperava que o cenário fosse mau, mas não tanto nem tão cedo.

 

 

Pronto chegámos a fim, espero que tenham gostado, comentem a vossa opinião sobre os livros que já leram, sobre outros que achem melhores ou mais marcantes para vocês. Agradecer novamente à criadora desta ideia muito original, visitem o blogue dela vale a pena! Muito obrigado.