Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

saldos-billboard

20180331_144415.jpg

 

 

 

         Meus caros leitores, hoje chega mais uma sexta-feira e com ela mais uma opinião sobre um livro. O livro que vos trago hoje, foi o livro que li nesta pausa para férias (sim eu tenho direito a férias!) e para o qual partia com uma expectativa elevada.

Nem podia ser de outra forma, já que depois de ler “O Homem em Busca de um Sentido” de Viktor E. Frankl (análise aqui) e ficar impressionado por tudo aquilo que este senhor suportou para sobreviver, decidi lançar-me a este “A Falta de Sentido na Vida”.

 

 

De: Mim

Para: Jorge Jesus

Data: Depois de ver que falas melhor inglês que português — “He’s Strong”

 

Míster quem é que tira de lá o bruninho?

power ranger.jpg

"O Palmier Ranger Verdes!"

 

 

 

 

 

         Caros visitantes que passam por este blogue talvez não imaginem que a primeira vez que comprei um computador e tive acesso à internet (à minha conta, digamos assim) foi no ano de 2008. — Olha estou quase a celebrar uma década de internet ao peito).

         Desde do primeiro dia pensei que já conhecia os cantos à casa e que nada neste Mundo internáutico seria novidade para mim. E foi nessa ânsia de mostrar que era um Expert que decidi que iria renovar o stock de DVDs típicos do Vin Diesel do meu tio, um solteirão (ou um encalhado)!

 

XXX vin diesel.jpg

Que grande industria tem este Vin Diesel!

 

 

 

20180531_190324.jpg

 

 

 

Mais uma semana passada, mais uma análise a um livro aqui no blogue. Hoje temos um livro que foi muito bom de ler em contraponto com as circunstâncias que originaram a sua concepção. O livro é “Aproveitem a Vida” de António Feio com a colaboração de Maria João Costa.

Acho que António Feio dispensa apresentações, sendo que ele e José Pedro Gomes formaram uma dupla que muitas gargalhadas provocaram em todos nós com “A Conversa da Treta” em todas as suas versões de teatro, à TV ou em filme. Confesso que sou grande fã deste senhor e da química que ele e o Zezé tinha em palco, no meio de improvisos de génio. Lamentavelmente nunca os vi ao vivo, é a tal história de os dar como adquiridos e que mais no menos ano punha o fim a essa ausência. Pois bem, agora já não há nada a fazer e é mais um daqueles desejos que ficarão sempre por realizar.

 

 

 

Pág. 2/2