Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

IMG_20190321_174354.jpg

 

Olá a todos. Hoje venho falar da minha última leitura do mês de Março, o meu primeiro livro de Jo Nesbo, “Sangue na Neve”, edição D. Quixote.

Esta história é relata por um assassino, que se vê metido numa grande confusão, quando o seu chefe o contrata para mais um trabalho. Até aqui nada de estranho, não fosse o patrão ter encomendado a morte da própria mulher! Como se isso não bastasse Olav, o nosso assassino, decide não fazer aquilo para que foi contratado, quer dizer foi contratado para matar e matou, não matou foi o alvo pretendido, a mulher do patrão, por quem se apaixonou.

 

“A neve dançava como algodão à luz dos postes de iluminação. Sem rum, incapaz de decidir se queria elevar-se ou cair, deixando-se simplesmente conduzir pelo vento infernal e gelado que varria a grande escuridão que envolvia a fiorde de Oslo. Juntos giraram, vento e neve, rodopiando sem parar, nos espaços escuros entre os armazéns do cais, todos fechados à noite. Até que o vento se fartou e largou a parceira de dança junto à parede. Aí, a neve seca e varrida pelo vento, assentava em redor dos sapatos do homem que eu acabara de atingir a tiro no peito e no pescoço.”

 

 

 

 

DSC00041.JPG

A minha avó e a minha sobrinha (bisneta)!

 

 

Olá a todos, bem-vindos a mais um texto para o desafio lançado para o mês de Março pelas meninas do The Bibliophile Club. Como já previa, falar a sério não tem sido fácil, mas como eu às vezes devo ser masoquista, volto hoje para falar de mais uma Mulher da minha vida. Preparem-se, eu já trouxe os lenços, não vai ser nada fácil porque hoje é dia de falar DA Mulher da Minha Vida: A Dona Isalinda.

A Dona Isalinda é a minha avó paterna e durante a minha infância ela foi sempre uma avó das antigas, daquelas que só estava bem com os netos pela mão, babada e orgulhosa. Desde que me lembro de ser criança, já a Dona Isalinda me traumatizava sempre que vinha o Carnaval.

Como se isso não fosse suficiente, ainda achou que seria engraçado por os dois netos no rancho folclórico! Quando eu “acordei para a vida” aquilo já fazia parte da minha agenda, agora não me perguntem como é que dançava porque já não me lembro, mas tenho para mim que não devia ser bom tendo em conta a minha coordenação motora actual (ao nível de um bêbado em coma alcoólico)! Desse tempo lembro-me ainda de ser tão magrinho, que para a roupa não me cair toda enquanto dançava, a minha avó prendia as meias aos calções com uns alfinetes… às vezes também prendia a perna aos alfinetes, não me fosse saltar a perna fora!

 

IMG_20190325_0005.jpg

Aquelas meias e calções tão um mimo!

Já as pernas, imagino...

 

 

Depois disto, é o tempo que passa a correr e já na adolescência, o meu avô adoeceu, ficou acamado e o pai e a minha madrasta acharam que a minha avó poderia precisar de ajuda e aí decidimos os três que seria eu a ir morar com a minha avó para a ajudar no que ela precisasse (pelo “trabalho” que fiz nesse tempo, acho que só precisou de companhia). Depois, infelizmente, o meu avô acabou por falecer, e aí então é que não fazia sentido nenhum voltar à casa do meu pai. Mais uma vez, decidimos que eu ficaria a viver com ela definitivamente.

A partir daí o objectivo principal passou a ser ela, isto enquanto estudava e tentava concluir o 12º Ano. Óbvio que me diverti muito com os meus colegas, mas a ideia era ir às aulas e assim que pudesse voltar para casa, não fosse ela precisar de alguma ajuda… mas na realidade quem ajudou e muito foi ela, que permitiu que eu concluísse o ensino secundário mesmo depois de precisar de repetir duas disciplinas.

No fim de mais este sacrifício dela, a ideia era eu começar a trabalhar e poder finalmente retribuir-lhe alguma coisa, mas Deus ou o Destino ou o Universo ou o cacete em que qualquer um acredite, não deixou que isso acontecesse e no dia 26 de Setembro de 2007, a minha avó (a dias de voltar a casa depois de uma cirurgia “simples” ao joelho) teve um ataque cardíaco e faleceu no hospital.

Já todos perdemos alguém de gostamos, mas só aqueles que perdem a pessoa mais importante da vida deles percebem aquilo que eu senti. Sim, a minha avó era a pessoa mais importante da minha vida. Era com ela que eu planeava aquilo que iria (iríamos) fazer a seguir. Sinto que fiquei viúvo aos 20 anos!

Os primeiros dias, semanas talvez, andamos ali dormentes ao sabor do vento, conforme as pessoas nos vão apoiando e sugerindo coisas, nós fazemos nem questionamos, parecemos uns zombies. Depois vêm as saudades e a noção de aquela ausência é real. Eu fazia a minha vida, ia trabalhar e tinha este pensamento montes de vezes: “vou chegar a casa e dizer isto à minha avó”. E ao mesmo tempo que aparece esse pensamento, aparece logo outro que diz: “agora já não podes”!

Não fui diagnosticado, nem preciso de um médico para ter a certeza que tive anos deprimido. Claro, fui andando, trabalhando, fazendo a minha vida, e sendo uma pessoa bem disposta tentei rir e fazer rir os outros (é das coisas que mais alivia a dor, é ver que tu podes estar uma merda e mesmo assim consegues “enganar” alguém, fazendo-a rir e com isso dar a ideia que estás a reagir e que o “pior” já passou). E até talvez fins de 2011, início de 2012 eu diria: Não, não passou, nem nunca vai passar!

A partir daí e quase em simultâneo apareceram duas coisas na minha vida, que acredito verdadeiramente mudaram tudo: a minha banda favorita, Alter Bridge, onde achei o conforto e percebi que não era o único a passar por aquela situação (quando ouvirem a música deles que vou deixar aqui, acho que vão perceber); e descobri também o amor pelo livros e pela leitura, que contribuíram para que o meu cérebro voltasse a acordar.

Desde então, encerrei este capítulo, aceitando que a vida é assim, que tudo isto faz parte e que é preciso reagir, porque não é por não reagirmos que as pessoas de quem gostamos voltam, sobre isso não há nada a fazer. Dói, dói muito, mas com o tempo, acreditem, vai doendo menos e não é por doer menos que deixamos de gostar ou que nos esquecemos dessa pessoa, é a vida a andar para a frente, a tirar algumas e a dar-nos outras. Por isso agora só posso matar saudades da mulher da minha vida quando ela aparece nos meus sonhos e é isso que tenho feito, é com cada beijo e abraço, pelo menos até acordar de sorriso nos lábios! Agora quero ver quem é que vai limpar a inundação que está neste quarto…

 

Ouvir isto ao vivo (em acústico) foi 

das melhores e das piores sensações,

tudo ao mesmo tempo! 

    

 

familia.png

 

 

Olá a todos! Continuamos a seguir o desafio do The Bibliophile Club neste mês que está quase a terminar e dedicado às mulheres da minha vida. Depois no último Post ter falado da primeira grande mulher que é a Dona Adélia, hoje é dia de falar da mulher que se seguiu, a minha madrasta.

Já vos expliquei (até em inglês do mais alto calibre!) que quando o meu pai se juntou com a minha madrasta, ela já tinha quatro filhas. Por isso, hoje vou falar não em específico de uma, mas de como foi viver com todas… E foi uma valente desgraça! Deus me valha, vinha eu da minha rica avó, com atenção e mimos todos só para mim, chego ali (e juntando o meu irmão) e somos 6, em que a mais velha tem 9 anos de diferença da mais nova. Isto em uma palavra: caos!

Eu admito, eu era um autêntico selvagem, quando me chateavam havia duas hipóteses: ou chorava ou batia! Quando eram os adultos a chatear-me chorava (arrumar o quarto?! Vocês não têm uma avó para fazer isso?!), quando eram as miúdas a chatear-me, batia! Isto normalmente dava chatice com os adultos, ou seja, mais choro! Por alguma razão naqueles anos não havia notícias de seca no Ribatejo, eu chorava que chegava para encher os rios todos.

Chorava por duas razões: por tudo e por nada. Até mesmo quando a minha madrasta dizia: “Oh Nuno eu não estou a brigar contigo, não precisas de chorar!”, aí ainda chorava mais por ter começado a chorar sem razão nenhuma! Sim, eu era assim tão parvo! Quer dizer, ainda sou, só que sem a parte do choro!

A minha madrasta, coitada, não tinha já 4 filhas para lhe darem cabo do juízo (lamento, é isso que os putos fazem) ainda teve que gramar comigo e com o meu sonambulismo quando lhe apertei os colarinhos, literalmente, quando ela ia tapar aqui o selvagem!

Mas em minha defesa destes tempos tenho que dizer: compreendam que chegou a uma altura que eu tinha que aturar 5 mulheres em TPM, isto por mês nem dois dias de boa disposição dá!

Tirando isto tudo, e falando muito mais a sério, a minha madrasta… que máquina, aquela mulher não se nega a nada, vejam bem que já depois dos 50 anos, decidiu voltar a pegar num camião e anda a conduzir por essa europa fora (e eu nem para Lisboa gosto de conduzir…e num ligeiro)! Ainda não vos disse foi o nome desta super-guerreira (e o que ela me aturou aos gritos com bonecos do Dragon Ball): chama-se Dona Beca (no cartão de cidadão diz que é Maria de Lurdes… modernices!) e a quem eu nos dias que correm adoro chamar velha! As filhas são (por ordem de chegada ao Mundo, não quero chamar ninguém de velha):  a Maria João, a Lúcia, a Cláudia e a Carina!

Consigo olhar para trás e ver que mesmo com todas as condicionantes que é ter uma família de 8 pessoas, acabámos por conseguir ser mesmo uma família e que hoje somos irmãos, tios, sobrinhos, avós, netos (agora, não vou ser eu que vou explicar aos putos quem é que é primo de quem, e essas coisas todas, já me bastou na minha aula de inglês). Todo aquele tempo serviu para aprender muito como é viver em conjunto, por isso e que tudo o que fomos juntos fez de nós uma família, não de sangue, mas de amor!

 

Esta música é do primeiro CD que comprei com o meu dinheiro nessa altura!

Sempre que a ouço, lembro-me daquela época, até pelo sentido que a letra faz tanto tempo depois!

 

 

IMG_20190325_0002.jpg

À esquerda o estafermo, no meio a Dona Adélia, à direita o mais giro!

(isto claro, do ponto de vista da minha avó!)

 

 

Olá a todos, hoje é dia de iniciar o desafio proposto pelas meninas no The Bibliophile Club e falar sobre as mulheres da minha vida.

Sem modéstia nenhuma (até porque pouco tive a ver com isso) posso dizer que tenho sido bastante afortunado com grandes mulheres ao meu redor e que, cada uma à sua maneira, me moldaram no homem que sou hoje. Isto dito assim não parece muito macho, mas lamento informar homens, embora vos custe muito admitir, tudo de bom que são hoje enquanto seres humanos é graças às mulheres das vossas vidas!

Hoje começo por falar na primeira mulher da minha vida: a Dona Adélia. A Dona Adélia é a minha avó materna, é o que diz a árvore genealógica da família, mas para mim foi a minha primeira mãe (tive mais que uma. Eu sei, sou um gajo de sorte) e é com ela que tenho as minhas primeiras memórias (da minha mãe também tenho algumas). Ela tomou conta de mim até aos meus 9 anos, sendo viúva desde que eu tinha 3 anos.

A minha avó não sabia ler, nem escrever, por isso nos tempos da primária só ouvia “Oh Nuno faz isso bem, que eu não te consigo ajudar, só se for nas contas, aí a avó não falha, tudo certinho”. Acho que é muito isto que falta agora aos miúdos, os avós, esta confiança e tolerância que eles têm para connosco e estão sempre dispostos a ensinar-nos muito daquilo que não se aprende nos livros. Realmente sinto-me um homem de sorte!

Depois dos nove anos, para grande desgosto da minha avó, fui morar com o meu pai e a minha madrasta (lembro-me de a apanhar a chorar já depois de saber que me iria ver sair de casa. Acho que ela pensou que só sairia dali nos meus 50 anos!).

A partir desse momento comecei a visitá-la todos os fins-de-semana. Era o momento em que ia lá, receber mimos e lanches e no fim ela ainda me agradecia pela visita. Os avós são assim, dão-nos tudo e no fim ainda são eles que agradecem!

Não quero culpar o tempo, o trabalho, os amigos, seja lá quem for, mas ultimamente (e não é há tão pouco tempo quanto isso) sinto que estou em divida para com ela, logo numa das alturas em que ela mais precisa de mim… A Dona Adélia é uma máquina, já bem depois dos setenta sobreviveu a um cancro da mama. Ela ganhou essa guerra, mas perdeu muitas batalhas, uma delas é a sua independência. E isso custa-me muito a ver, ela está num lar (onde é muito bem tratada) e sempre que a minha tia pode, vem passar uns dias com ela. Eu podia, eu devia, eu tinha que ir vê-la, mas eu não tenho conseguido, custa-me muito olhar para ela e não chorar, isto enquanto ela está toda feliz por me ver! Eu sei que isso é uma falha enorme da minha parte. Lá chegará o dia em que serei homem o suficiente para voltar a visitá-la, e nesse dia tenho a certeza que aquilo que merecia era umas valentes chapadas, mas não ela vai olhar para mim e dizer: “Se tivesse aqui um foguete, mandava já”!

Pronto, estou aqui que nem merda, estão contentes?!

Deixo-vos uma música, que não sendo nada o meu estilo, sei que é uma das preferidas dela!

 

 

 

         

 

IMG_20190316_111745.jpg

 

Olá a todos. Hoje venho falar do livro do mês de Março no Net Book Club, “Imortalidade” de Rachel Heng, edição Bertrand Editora. A premissa do livro é simples: num futuro próximo (talvez não tão próximo assim) em que a esperança de vida é de 300 anos e a nossa personagem principal é abençoada para em conjunto com o seu marido atingir a imortalidade.

 

“Só para ver, qual é o problema? Fora isso que a mãe dissera quando chegaram a Nova Iorque e passaram pela clínica. Por isso, fizeram os testes. Vieram a saber que ambas tinham bons genes, genes excelentes, tão bons que eram elegíveis para todos os tipos de tratamentos subsidiados. Elas riram-se. Não era par isso que lá estavam, não, elas estavam ali pela música. A mãe para cantar, Anja para tocar violino.

Mas a ideia de viver para sempre era uma doença que ardia lentamente e que a mãe tinha apanhado a partir do momento em que tinham feito aqueles testes. Começou a viver como os americanos, deixando de comer carne e até mesmo peixe, a sua corpulência robusta diminuindo para uma magreza eficiente e controlada no ginásio. Parou de correr por causa do que isso lhe fazia aos joelhos. Finalmente, começou a cantar cada vez menos porque a avisaram sobre o coração, de como era o elo mais fraco numa composição genética imaculada. Havia também toda aquela produção excessiva de cortisol envolvida no facto de ser música. Riscos do ofício, como lhe chamavam.

A mãe tornou-se obcecada com os melhoramentos e depois com as reparações. Primeiro foi a pele, reenxertos de quinze em quinze meses, depois o sangue, fortificado por partículas microscópicas inteligentes, nanorrobôs que limpavam, reparavam e regeneravam. No dia em que lhe substituíram o coração por uma bomba sintética de alta potência, Anja praticou no violino até os dedos ficarem púrpura e em carne viva. Na clínica, observou atentamente a cara da mãe à procura de pistas de como aquilo viria a acabar.

Agora sabia, claro. Era assim. As duas neste quarto vazio e húmido, com nada, excetuando uns quantos objetos, que lhes pertencesse. Os tratamentos só eram subsidiados até uma dada altura, tornando-se cada vez mais caros quando a mãe atingiu o seu tempo de vista previsto, até não lhes restar nada. Agora, tudo o que restava era esperar.”

 

 

 

 

 

 

Rui Pinto.jpg

 

É verdade meus amigos! Sintam orgulho! O Bola de Ouro da Bisbilhotice Online Desportiva é português! E voltou ontem ao seu país que o viu nascer para ser… preso e interrogado?!

Rui Pinto de seu nome, o jovem prodígio informático foi ontem notícia e tema de debate em todos os canais informativos. Teve honras de acompanhamentos em directo. A cada passo que dava, lá vinha a CMtv com “Notícia de última hora”: Rui Pinto já respira em território nacional; Rui Pinto já fez o seu primeiro xixi desde que foi extraditado; momento histórico, Rui Pinto acabou de franzir um sobrolho, espectacular. Isto tudo enquanto interrompem constantemente os convidados em estúdio que vão discutindo assuntos ligeiros, como se as informações obtidas de forma ilegal, podem ser usadas para apanhar aqueles a quem Rui Pinto ousou bisbilhotar os negócios mais obscuros. São decisões que uma redacção tem que tomar… uma coisa é certa: isto se fosse com o Santana Lopes a coisa não ficava assim!

 

 

 

Acho que, cada vez mais, temos de ter uma mentalidade aberta para este tipo de jornalismo e informação. Temos o melhor do mundo a chafurdar os negócios e esquemas, nada ilícitos, no mundo do Futebol e como é que o tratamos?! Como um criminoso! Não me parece a forma mais correcta de tratar ninguém, quanto mais os nossos, aqueles que elevam a nossa bandeira lá bem no alto!

Eu sei que não é fácil ter que explicar como é que um jovem destes chega e descobre coisas que os outros que são pagos para investigar não conseguem. Se não conseguem, se calhar o melhor seria contratarem o Rui Pinto para um Workshop. Se o Workshop for muito caro tenho dois livros para vocês aprenderem como é que se investiga como deve ser: “Fifa Máfia” de Thomas Kistner e “A Orgia do Poder” de Pippo Russo. São livros que dão para perceber a pureza do desporto-rei: a corrupção!

Com isto, só quero dizer que o Rui Pinto deve ser julgado e condenado pelos crimes que possa ter cometido, mas que também deviam ser investigados, julgados e condenados todos aqueles que as informações recolhidas pelo Rui Pinto mostrem que também cometeram crimes!

É que sempre ouvi dizer: “ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão” (eu só ainda não percebi qual é o ladrão que a justiça acha ser o Rui Pinto)!

 

Dia-do-Pzi.jpg

 

Atenção vem aí uma grande novidade: hoje é dia do Pai! Este é ainda um daqueles dias que já existia antes desta balbúrdia actual que é todos os dias ser dia de qualquer coisa! Há o dia da Terra, há o dia da água, há o dia do céu, há o dia do cão, do gato, do cão rafeiro, do gato das botas! Há dias para tudo, até o dia do político honesto há: dia 31 de Fevereiro!

Só ainda não há dia é para cada um se meter na sua vida e deixar de chatear a cabeça aos outros… Até porque de certeza que há o “dia de chatear”!

E por falar em chatear, o facto de haver estes dias todos, nem é uma coisa que me arrelie por aí além, mas precisava aqui duma introdução parva, e cá está ela.

O que me arrelia como se não houvesse amanhã, são aquelas pessoas que fazem questão de festejar o dia (neste caso o dia do Pai) e depois dizem: “Mas o dia _____ (preencher a gosto) é todos os dias, não é só hoje”!

Pois, tudo muito certo… NÃO… tudo muito errado!

Tudo muito errado, porque principalmente nos outros dias eu não os vejo a fazer dedicatórias bonitas aos papás! Então e essa coerênciazinha da boa, meus meninos?! Quando for o dia da criança já sabem, não há prenda para ninguém…

Nota-se que isto me deixa irritado?! Claro que me deixa irritado (às vezes irritado com F no início e “dido” no fim)! As pessoas têm que pensar bem nas coisas…

Pensem comigo (não é como eu… não vos desejo tamanha deficiência), se, por exemplo, todos os dias for dia do Pai e ao mesmo tempo dia das outras coisas todas — continuem aí, sigam esta “lógica” — iríamos ter resultados como estes e que levantam questões importantes:

 

Dia do Pai + Dia da Mãe + Dia das Bruxas = Seria o dia em que o Pai dormia no sofá por ter ofendido a sogra?!

 

simpson no sofá.png

Desculpa sogrinha...

 

 

 

20181229_115547.jpg

 

Olá a todos. Este mês consegui! O livro que escolhi este mês para The Bibliophile Club já está lido! E é sobre ele que vou falar hoje.

Temos então “Fica Comigo” de Lucie Whitehouse, editado em Portugal pela Bertrand Editora e que nos conta a história de Rowan que desconfiada decide investigar a morte acidental da sua antiga amiga Marianne. Isto porquê? Porque Marianne morre ao cair do telhado da sua casa, o que não seria nenhum acidente de que se pudesse desconfiar, não fosse ela ter vertigens! É a isto que Rowan se agarra para partir em busca de mais respostas para as suas dúvidas.

 

“— Estou… de coração destroçado — disse Jacqueline, como se compreendesse pela primeira vez o verdadeiro significado da palavra. Então, depois de uma pausa: — A Marianne morreu, Rowan. — O som de novo, a sua nota estranha, horrível. — Caiu do telhado para o jardim. O pescoço…

Um clarão momentâneo, o chão a ceder sob os pés e a imagem horrível de um corpo em queda livre.

Jacqueline falava e chorava ao mesmo tempo.

— Foi no domingo à noite, na neve, mas só a encontraram na segunda de manhã. Ela esteve lá toda a noite no escuro. Encharcada… gelada. A sua pele… Rowan, disseram-me que os dedos dela estavam congelados. Não suporto pensar nisso, mas não consigo parar… — Calou-se e começou a soluçar desesperadamente.”

 

Escolhi este livro para o tema de Março, porque além de ser uma mulher a escrever esta história, também a personagem principal é uma mulher!

“Uma intriga elegante, personagens esplendidas e uma reviravolta de matar.” Sunday Mirror.

Tendo em conta estas referências tão prometedoras, parti para este livro com uma expectativa elevada e pronto para uma história mesmo à minha medida: cheia de interesse, voltas e reviravoltas e já ansiava por um final espectacular! Não podia estar mais enganado…

 

 

20190202_144201.jpg

 

 

Olá a todos! Este livro foi uma escolha dos seguidores do blogue no Instagram para o mês de Fevereiro e era um livro que apareceu cá em casa sabe-se lá como… sei que fui eu que o comprei, o que já não é mau! Talvez por ser mais um escritor português… na minha lista de razões para comprar livros, é suficiente!

“Princípio de Karenina” de Afonso Cruz, editado em 2018 pela Companhia das Letras. É um livro que é basicamente (que termo redutor) uma carta de um pai para a sua filha, relatando tudo da sua vida, desde que era ele uma criança até aos últimos dias da sua vida.

 

“A minha mãe gostou sempre da deformidade com que nasci. Durante muito tempo não consegui perceber o motivo, mas seria algo que marcaria toda a minha vida. A imperfeição. A imperfeição salvar-me-ia com igual intensidade e na mesma medida com que me faria sofrer.”

 

 

 

neto moura.jpg

Epá como é que esta imagem veio parar aqui?!

Não vou falar deste Juiz em particular...

É mesmo em público!

 

Como é que eu consegui esta banda sonora que se segue?! Perguntei ao próprio: 

Sr. Dr. Juiz qual é a música que não lhe sai do ouvido hoje?!

 

Se calhar foi cedo, não?!

 

Já sabemos que é contra o adultério contra os homens e a favor da violência contra as mulheres...

Mas queremos saber qual é a sua opinião sobre as mulheres.

Complete a frase: "As mulheres são todas umas..."

 

 

Vamos partir desse seu pressuposto então: se você vê as mulheres como interesseiras, quando elas perdem o interesse em si qual é a pergunta que mais lhe passa pela cabeça?

 

#NETODEMOURAÉCORNO

 

Pronto, já percebi que é um assunto sensível para si!

Vamos lá terminar: Sr. Dr. Juiz, quando você toma as decisões que tem tomado a favor dos agressores é porque...

 

Pois, já desconfiava...