Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

Olá a todos e depois de uma semana de interrupção voluntária (por voluntariedade do meu trabalho em não me largar) voltamos com mais episódio n’A Vida Dum Carola.

Hoje gostava de vos contar uma história, prestando homenagem a uma pessoa que todos nós temos na nossa vida: O Nosso melhor amigo. Então cá vai:

Era uma vez o meu melhor amigo — do qual não vou revelar o nome, porque ainda me posso zangar com ele, e depois com o meu próximo melhor amigo tudo isto que se vai relatar aqui hoje ainda será válido para ele também (é quase como aqueles que namoram e que dizem que o namorado(a) actual é o maior amor da sua vida, embora essa actualidade mude de três em três meses) — e como qualquer bom amigo decide acolher-me em sua casa para belas tardes de Football Manager. Tempos áureos esses em que eu começava a treinar o Real Madrid e acabava a treinar outro Real… o de Massamá.

 

 

real massamá.jpg

FM 2019:  À conquista da Champions

 

 

 

Claro que uma amizade destas tem que ter os seus contratempos, e o meu melhor amigo (não me batas, ok?!) tem um problema grave ou então é um talento inato que ainda não explorou bem: ele é um bocadinho mentiroso (bocadinho = distância que vai do sol à lua) principalmente, ou quase exclusivamente vá, no que à minha vida sentimental diz respeito (em Hollywood safava-se)!

Ele leva a expressão “Mentir é feio” muito à letra e em proporção: como eu tenho esta cara de um mau aborto aos nove meses, ele inventa sobre a minha actividade sexual algo ligeiramente inferior ao Hugh Hefner.

 

hugh hefner.jpg

Eu, segundo o meu melhor amigo!

 

Curioso, ou talvez não, é que isso acabou por se tornar verdade: desde que Hugh Hefner morreu (e a crer que não há vida no além) temos hoje em dia a mesma actividade sexual, zero!

Para que percebam o que esta besta (termo carinhoso pelo qual o trato) é capaz de inventar a meu respeito, uma vez ele lembrou-se de espalhar o boato, altamente infundado, que eu estava numa espécie de relacionamento (incluindo a parte boa e tudo) com uma funcionária dos C.T.T.

Isto não seria nada de anormal (dentro da anormalidade daquela besta) se não tivesse esta blasfémia chegado aos ouvidos da Sra. Dona “Mãe da Besta” que além de acreditar nas alarvidades da sua criatura, ainda conseguiu confundir a suposta funcionária com outra, que ela conhecia, e já estava pronta para ir perguntar se era verdade. Ou seja, graças a este “Melhor Amigo” e sua progenitora, eu corri o sério risco de levar um selo de cinco dedos (abertos ou fechados) sem aviso de recepção e tudo! Ainda bem que os correios nunca entregam nada a tempo…

Obviamente que a verdade dos factos, que para meu mal é bem pior que as invenções do meu amigo, veio ao de cima e não tive problemas com isso.

Não contente com isto, ainda decide inventar outra história ainda mais rocambolesca que a anterior: Segundo ele, ou seja, segundo a invenção dele, a minha rua estaria inundada de espécimes do sexo feminino que faziam fila para poderem entrar em minha casa, onde estaria afixado (segundo a invenção) um letreiro a dizer “Carola’s Bar” e onde iriam desfrutar de momentos “lusco-fusco” aqui com o maior Carola cá de casa!

 

 

 

 

Ora aqui estava mais uma ideia estapafúrdia, em que só os nossos colegas de trabalho fingiam acreditar para bem da chalaça geral às custas do Carola mais encalhado da história!

Qual não é o um espanto quando num grupo fechado de Facebook só para Carolas (de apelido) sucede isto:

 

 

Carolas bar.jpg

Neste dia houve lá festa da boa!

Só pra aí se vê que o Bar não pode ser meu...

 

 

Pois,quem é que resiste perante uma coisa destas?! A partir daí, foi ver a minha credibilidade como o “Gajo Mais Honesto do Mundo” cair a pique até ao fundo do esgoto! 

A porra do Bar podia chamar-se “Festas à Carola”, “Carola Café Lounge” ou “ CCC — Carola Coffee Club”, mas não… tinha que ter o nome exactamente igual à da invenção daquela besta: Carola’s Bar!

Este filme de Hollywood tem-me valido anos de grande encalhamento que qualquer dia vou ser igual ao azeite Gallo: A secar desde 1987!

 

1 comentário

Comentar post