Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

20181201_114847.jpg

 

 

Olá a todos, volto hoje (ainda a recuperar de uma “pequena” infecção pulmonar) com a minha opinião sobre um livro que realmente demorou mais tempo do que esperaria, também porque a partir de certa altura percebi que mais valia abrandar e tentar aprender os capítulos sem a urgência deter que acabar o livro, só porque sim. Foi um dos livros que venceu a votação de Dezembro, mas ao mesmo tempo foi o livro que escolhi para o tema de Janeiro do novo clube literário em que decidi participar: The Bibliophile Club.

Vamos lá então à opinião sobre “Desperte O Gigante Que Há em Si” de Tony Robbins, edição da Lua de Papel.

 

“Tudo o que acontece na sua vida — tanto aquilo que lhe traz felicidade como aquilo que representa um desafio para si — começou com uma decisão. Acredito que é nos seus momentos de decisão que o seu destino ganha forma. As decisões que toma agora, todos os dias, vão influenciar a forma como se sente hoje e quem se vai tornar nesta década e depois dela.”

 

 

 

Mais uma vez através de um calhamaço de 600 páginas, Tony Robbins, divide o livro em quatro partes, sendo que as duas primeiras são bem maiores e teóricas, mas as últimas duas já incorporam tudo o que fomos aprendendo em tarefas práticas. Apontei novamente uma enxurrada de excertos de frases importantes, histórias marcantes e muitos exemplos práticos de como pequenas mudanças na atitude, na mentalidade e até nas perguntas que fazemos a nós mesmos, podem trazer mudanças constantes e duradouras.

 

“Ele era amargurado e cruel, alcoólico e toxicodependente, quase se matou várias vezes. Hoje, cumpre pena de prisão perpétua por assassinar um empregado de caixa de uma loja de bebidas que «se meteu no seu caminho». Tem dois filhos, nascidos com uma diferença de apenas onze meses, um dos quais cresceu e se tornou «igual ao pai»: um toxicodependente que vivia a roubar e a ameaçar os outros, até que também foi preso, por tentativa de homicídio. O irmão, contudo, é outra história. É um homem que está a criar três filhos, gosta do seu casamento e parece realmente feliz. Como gerente regional de uma grande empresa, considera que o seu trabalho é ao mesmo tempo exigente e compensador. Tem boa forma física, e não é viciado em álcool nem em drogas! Como é que estes dois jovens puderam seguir caminhos tão diferentes, criados praticamente no mesmo ambiente? Foi feita a mesma pergunta a cada um deles, em privado, sem que o outro soubesse: «Porque é que a tua vida seguiu este caminho?» Por mais surpreendente que possa parecer, ambos deram a mesma resposta: «O que mais me poderia ter tornado, tendo sido criado por um pai assim?»”

 

O que aprendi com mais este livro, é que qualquer que seja o próximo livro que leia de Tony Robbins, não poderá ser para ler como um livro normal. Estes livros são manuais que nos ensinam a fazer alterações em várias vertentes e por isso a melhor forma de conseguir aplicar esses ensinamentos será com uma leitura mais prolongada, lendo um capítulo, aplicando-o, relendo-o, voltando a aplicá-lo e só quando essa etapa estiver completamente absorvida nos nossos hábitos, só aí devemos passar ao capítulo seguinte.

 

“Como o filósofo alemão Arthur Schopenhauer declarou, todas as verdades passam por três estágios.

Primeiro, são ridicularizadas.

Segundo, enfrentam uma violenta oposição.

Finalmente, são aceites como evidentes.

 

Um grande senão deste livro, e algo a que o autor é completamente alheio, foram erros ortográficos. Eu sei que o livro é enorme, mas acho que no total devem ter sido mais de uma dezena, acho demasiado, lamento.

20190201_124021.jpg

"A dor é o melhor instrumento para ALTEAR uma crença"?!
Isto significa pôr uma crença lá no alto?!

 

Dei-lhe 3 estrelas no Goodreads, mas acredito que quando o voltar a ler (e da forma correcta) a minha avaliação será superior, porque o conteúdo e as técnicas são fáceis de perceber e, umas mais que outras, fáceis de aplicar. Este livro é para se ir lendo e recomendo-o a quem quiser realmente aplicar mudanças na sua forma de pensar, para que com isso obtenha sucesso em todas as áreas da sua vida, seja lá o que sucesso signifique para cada um de nós. Obrigado a todos, amanhã voltamos com a minha previsão sobre o livro de Fevereiro para The Bibliophile Club. Até lá!

 

Todas as conquistas pessoais começam com uma mudança nas crenças. Assim sendo, como mudar? O meio mais eficaz é fazer o seu cérebro associar uma enorme dor à antiga convicção. Você deve sentir lá no fundo que não só essa convicção lhe causou dor no passado, como também está a causá-la no presente e vai causá-la no futuro. Depois associe um grande prazer à ideia de adotar uma crença nova e fortalecedora. Este é o padrão básico, que analisaremos muitas vezes, para criar mudança nas nossas vidas. Lembre-se: não podemos esquecer que tudo o que fazemos é pela necessidade de evitar a dor ou pelo desejo de obter prazer, e se associarmos dor suficiente a qualquer coisa, conseguiremos mudá-la.”

 

“Lembre-se, nada na vida tem significado a não ser aquele que lhe atribui. Portanto, certifique-se que escolhe conscientemente os significados que estão mais alinhados como destino que escolheu para si mesmo.”

 

“Precisamos de compreender que o valor de qualquer coisa depende da tecnologia. A tecnologia pode transformar um desperdício em algo valioso. Afinal, houve um tempo em que ter petróleo na nossa terra era uma praga, mas a tecnologia transformou isso numa fonte de riqueza.”

 

“Qualquer empresa que concede sempre aumentos sem que os seus empregados encontrem formas de acrescentar mais valor é uma empresa que se vai afundar cada vez mais, até ficar em dificuldades económicas ou se destruir.”