Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

765_360_o-homem-mais-rico_1504189731.jpg

 

Gosto muito de livros deste género, em que apesar de pequeno no tamanho, o valor da informação oferecida é enorme (muita calma, continuamos só a falar de livros).

 

Embora na Babilónia de há 8000 anos atrás, esta história tem muitas semelhanças com a actualidade em temas como finanças, empréstimos, sorte e carteiras vazias. Vamos à aula? (Onde é que vão?! Não fujam! Bem então para os que sobraram...)

 

 

Começamos com Bansir e Kobbi que procuram perceber o que o seu amigo de infância, Arkad, fez de tão diferente com a sua vida para se ter tornado “só” o homem mais rico da Babilónia enquanto eles estão, também “só”, desanimados, cansados de trabalhar e acima de tudo pobres.

 

“Uma parte de tudo o que ganha é exclusivamente sua” — com este ensinamento aconselha os amigos a poupar um décimo de tudo o que ganham, com o objectivo de fazer esse dinheiro crescer, investindo-o.

 

Mais tarde é convocado pelo Rei que anseia trazer riqueza a todo o seu povo (muito semelhante aos Reis e governantes de agora... se calhar excedi-me um pouco, desculpem), Arkad ensina então as 7 soluções para as carteiras vazias.

 

“A deusa da Boa Sorte favorece os Homens de acção” com isto diz-nos que a procrastinação é a grande culpada para a falta e sorte.

 

Continuamos com a aula enquanto aprendemos as 5 Leis do ouro e que “Mais vale alguma cautela do que muito arrependimento” em relação a empréstimos a amigos ou familiares.

 

Depois vem a muralha da Babilónia ensinar-nos que as nossas poupanças e investimentos tem de ter, tal como a Babilónia, a protecção adequada.

 

Por fim através da frase “Onde houver determinação, há solução” aprendemos que as nossas dívidas, embora enormes e não parecendo ter fim, com o plano certo irão sendo pagas até deixarem de existir.

 

Não é preciso nenhum curso superior para perceber estes ensinamentos. A questão que se coloca no fim deste livro é “Estou à espera de quê?!”.

 

Eu, por exemplo, fico à espera que vocês leiam esta obra e que gostem. Recomendo a 100%. “Trimmmm” — fim da aula podem sair e não se esqueçam de fazer os trabalhos de casa.