Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

20181229_114742.jpg

 

 

Olá a todos, bem-vindos! O livro de hoje foi o primeiro do ano e um dos livros que foram votados para o mês de Janeiro.

“Segredos Mortais” de Robert Bryndza, editado em Portugal pela Alma dos Livros, conta a história de uma mulher que foi assassinada à porta de casa em plena época natalícia. Marissa, uma jovem dançarina burlesca com o objectivo de ser a próxima Dita Von Teese, vê esse futuro ser-lhe retirado quando é atacada por alguém vestido de preto e com uma máscara de gás.

 

“Atrás dela encontrava-se um vulto de casaco preto comprido. Tinha o rosto tapado por uma máscara de gás, e um capuz de couro preto brilhante a envolver-lhe a cabeça. Dois grandes orifícios redondos de vidro olhavam-na fixamente, e a zona de filtro alongava-lhe o rosto, pendendo logo acima do peito. O vulto calçava luvas pretas e segurava na mão esquerda uma faca longa e fina. (…)

Marissa tentou inspirar, mas não conseguiu; tinha os pulmões cheios de líquido. Viu, de forma quase desapegada, aquele desconhecido arrastá-la a custo pelo chão, afastando-a do portão e levando-a para o meio do minúsculo jardim. A figura cambaleou, e pareceu prestes a cair, mas equilibrou-se. Com as duas mãos, baixou de novo a faca, esfaqueando-lhe a garganta e o pescoço. Enquanto o seu sangue era bombeado para o manto de neve e a vida deixava o seu corpo, Marissa pensou ter reconhecido o rosto através dos grandes orifícios de vidro da máscara de gás.”

 

 

 A partir daqui entra em acção a detective Erika Foster, que se intromete neste caso e juntar todas as peças do puzzle e levar à justiça o assassino da jovem Marissa. Apesar de muito jovem, Marissa é bem conhecida na sua área de residência pois além do seu estilo de vida extravagante, envolvera-se com dois vizinhos, ambos casados. Tudo isto aumenta o rol de suspeitos que Erika tem que questionar e recolher informações.

Ao longo da história vamos acompanhando todas as movimentações da equipa de investigação, dos interrogatórios aos suspeitos e ainda vemos Erika a ter que lidar com problemas familiares enquanto tenta desvendar este mistério, mesmo que á distância.

Como já tinha dito, este é o meu primeiro livro deste autor e gostei da forma como ele constrói as personagens, com densidade, humanas e bastante diferentes umas das outras sem entrar em grandes clichés. Adorei os capítulos serem curtos, o que faz com que a acção flua rapidamente e que nós vamos de capítulo em capítulo até perdermos a noção do tempo. Eu não sou de ler muitas páginas de uma vez, mas aqui só no primeiro dia li mais de 120.

 

“— Por favor, por favor! Deixe-me ir. Não vou dizer nada. Não vou contar! — implorou Joseph, semicerrando os olhos por causa da luz intensa do telemóvel.

—Pois não. Queres que este vídeo seja enviado a todas as pessoas que conheces? — perguntou uma voz eletronicamente distorcida. A mão apareceu e agarrou os genitais de Joseph, e ele gritou quando a mão os torceu. — Sei onde moras — disse a voz. — Sei o teu número de telemóvel. Se disseres alguma coisa, mando isto a todos os teus contactos… Amigos. Família. Toda a gente.

A imagem passou para uma mesa com uma fila de brinquedos sexuais. A mão sem corpo pegou no maior e voltou para juto de Joseph, que tentou fechar as pernas, mas elas estavam abertas e amarradas à mesa.

— NÃO! — gritou ele. — NÃO!

Erika tirou o som e teve de se forçar a ver o resto do vídeo.”

 

É bom ler algo assim, em que pequenas alterações e movimentações conduzem a investigação em várias direcções, deixando-nos a especular a cada página e a cada nova informação se será aquele suspeito quem realmente assassinou Marissa. E no meio desta enxurrada de pistas é num pormenor, que só a grande detective Erika nota, que o caso fica resolvido, duma forma que eu não estava à espera. E quando acontece o que eu não estava à espera… adoro, significa que o escritor fez um bom trabalho em esconder e mostrar somente aquilo que ele queria que soubéssemos e aqueles de quem devíamos suspeitar.

Quem gosta de policiais, vai gostar deste livro certamente. Eu gostei muito e por isso recomendo-o. Foi uma bela maneira de começar o ano, e vocês quantos livros já leram? O primeiro do ano foi bom? Qual é a vossa expectativa de leitura para 2019? Comentem e até à próxima!

 

Desafio 1000 palavras por dia

Contagem: 748