Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

IMG_20190901_083008.jpg

 

 

Olá pessoal, bom fim-de-semana a todos e vamos lá a mais uma opinião, a última para o SeptemberThrills. As leituras têm estado em bom ritmo, mas os posts de opinião ainda estão um pouco atrasados, mas já estou quase a ficar em dia!

Então para finalizar a minha participação neste desafio temos o livro de Riley Sager “Duas Verdades e Uma Mentira”, editado em Portugal pela TopSeller e com o título original: The Last Time I Lied (um minuto de silêncio em memória das boas traduções de títulos… Obrigado).

 

1.png

 

 

 

 

UmDóLiTá.jpg

 

 

Olá pessoal bem-vindos a mais uma opinião. Finalmente começo hoje a falar sobre as leituras de Setembro. E neste mês de regressos e recomeços depois de muita gente estar de férias, nada melhor que melhor que entrar num projecto que me vai tirar da minha zona de conforto como nenhum outro. Este projecto foi organizado pela @dorasantosmarques e pela @tininha_666 e chama-se SeptemberThrills! Como o título deixa antever, isto é algo que eu nunca fiz, nem nunca li, além de que está muito longe de ser o meu género favorito, mas lá consegui arranjar uns livrinhos que podem ser que sirvam para aguentar este suplício… outra coisa que eu não gosto nada é de ser sarcástico e andar aqui a enrolar quem me lê até que as pessoas cheguem à conclusão que eu sofro de alguma doença mental por diagnosticar.

Concluídos que estão estes cinco minutos de estupidez agravada, vamos lá então falar do primeiro (que era para ser o último) da minha lista de quatro livros que agendei para ler neste desafio. Este livro foi adiantado na lista de leitura porque na altura (parece que foi há muito tempo, mas foi há duas semanas talvez) a @livrariawook tinha grande parte da colecção do autor M.J. Arlidge em promoção e eu precisava de saber se iria gostar dos seus livros, para decidir se aproveitaria a promoção ou não (SPOILER ALERT: comprei mais dois livros!). Temos então “Um, Dó, Li, Tá” de M.J. Arlidge, editado pela Topseller.

Falar de Thrillers e Policiais é mesmo a minha praia e qualquer sinopse simples ou capa bonita é razão suficiente para mais uma compra impulsiva! Eu acho que se existir algum livro com o título “Isto é Um Thriller” eu compro-o sem ler a sinopse (e depois vou a ver e ainda há de ser algum livro sobre o hit do Michael Jackson). No entanto a sinopse deste livro já é de deixar com a pulga atrás da orelha.

A história conta-nos que há um assassino em série à solta com um estranho padrão de actuação: faz dois reféns, deixa-lhes uma arma com uma bala e uma decisão, quem vive e quem morre, onde aquele que matar será libertado pelo raptor. Para resolver este caso está a detective Helen Grace, que após perceber este comportamento, percebe também que corre contra o tempo para evitar que o nosso assassino faça mais vítimas.

 

1.png

 

 

 

Confesso.jpg

 

 

Olá pessoal, como vão essas leituras? Essas férias têm trazido boas leituras? Devo confessar que, embora não esteja de férias, tenho conseguido ler mais e estou bastante contente com os livros que tenho lido ultimamente. Hoje falo-vos daquele que foi a minha primeira leitura deste mês de Agosto: “Confesso” de Colleen Hoover editação portuguesa da Topseller e vencedor do prémio melhor romance 2015 do Goodreads.

Colleen Hoover é uma das escritoras mais faladas em Portugal nos dias que correm, tem uma legião de fãs e os seus livros são dos que mais se vêem reviews nas redes sociais. Com visita marcada para Lisboa no dia 11 de Novembro, muitos dos seus fãs já se encontram em alvoroço para que esse dia chegue depressa.

No entanto, não foi por nada disto que acabei por ler este livro. A história de como este livro acabou na minha estante já está no Instagram é só irem lá espreitar! Vamos então à história.

 

 

1.png

 

 

 

 

 

Dor.jpg

 

 

Olá pessoal, Agosto está a ser produtivo nas vossas leituras? O Verão literário está animado? Em que projectos literários estão envolvidos nesta altura?

Eu devo confessar que acompanho muitos projectos que vão ocorrendo por essa internet fora, mas participar, participo em dois. Actualmente a minha lista de espera é tão grande que se me envolvesse em mais projectos só iria criar mais stress e confusão sobre o que ler a seguir, e a ideia é ler por prazer, por isso, e por agora, participo em muito pouco.

Hoje o livro de que vos vou falar é para o Net Book Club, um projecto que há uns meses sofreu umas mudanças nas regras para a escolha do livro de cada mês. Agora entre as escolhas, as hipóteses de escolha representam dois países e a votação é feita pelos seguidores do clube no Instagram. Esta ideia parece-me óptima porque permite conhecer autores de países a que normalmente não iria dedicar a minha atenção.

Para estes dois meses de Julho e Agosto, o país vencedor foi Israel com o livro “Dor” de Zeruya Shalev edição portuguesa Elsinore. Mais uma vez, as capas desta editora são muito originais e nada comuns, esta capa é muito gira. Mas do que vale a capa se o conteúdo não for de qualidade? Já se diz, não julgues livro pela capa…

Pois bem, neste caso a premissa da história já é bastante condizente com qualidade da capa.

A história passa-se, como não poderia deixar de ser, em Israel onde Iris, uma sobrevivente de um atentado terrorista, 45 anos, casada e com dois filhos, se vê passados 10 anos ainda muito afectada por esse ataque bombista (até porque ficou com muitas mazelas físicas e psicológicas) e por um acaso enorme reencontra o seu primeiro grande amor, Eytan. Não fosse isto o suficiente ainda tem que tentar resolver os problemas da sua filha adolescente, envolvida com o dono de um bar que lhe muda completamente a personalidade e a sua percepção da vida.

 

1.png

 

 

 

 

 

 

Viagens.jpg

 

Olá pessoal, aqui estamos para mais uma opinião de um livro do Net Book Club. O clube literário que “a mulher que ama livros” criou, sofreu algumas alterações nas “regras” para a escolha do livro do mês. Agora é-nos dado a escolher no stories do instagram do clube, entre dois autores de países diferentes. No primeiro mês o país vencedor foi Itália com o livro “acabadora” de Michaela Murgia. Infelizmente quando fui para o comprar já estava esgotado e por isso não consegui participar. Este mês, assim que a escolha foi feita, tratei logo do assunto e comprei-o numa das minhas visitas à Feira do Livro de Lisboa.

Assim, o país vencedor deste mês foi a Polónia com “Viagens” da autora Olga Tokarczuk, edição em Portugal pela Cavalo de Ferro, chancela 20|20 editora.

Devo de confessar que quando li a sinopse, fiquei curioso com a ideia do livro: falar sobre viagens, viajantes, relatos ao longo do tempo. Não é preciso mais que isto para eu ficar com as “antenas no ar”.

 

“Debruçada no topo do dique, fitando a corrente, dei-me conta de que, apesar de todos os perigos, tudo o que está em movimento é sempre melhor do que aquilo que está em repouso, que a mudança é mais nobre que a estabilidade, que tudo o que estagna acabará por sofrer decomposição, degeneração e transformar-se-á em pó, enquanto aquilo que está em movimento consegue durar eternamente.”