Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

SexoDrogaseSelfies.jpg

 

 

Olá pessoal, bom Domingo! Volto hoje com mais uma opinião ainda do mês de Agosto, que foi o mês em que li mais livros de sempre (6, parabéns para mim) mas que teve como dano colateral um atraso de muitos livros sobre os quais falar. Estou a dar o meu melhor para actualizar as opiniões o mais rápido que me for possível.

Hoje vou falar do quinto livro do mês passado “Sexo, Drogas e Selfies” de Francisco Salgueiro editado pela Oficina do Livro. Como sabem, esta não é a minha estreia com este autor, sendo o meu terceiro livro, depois dos dois “O Fim da Inocência” (um deles já foi falado há algum tempo aqui no blogue). Aliás, o primeiro “O Fim da Inocência”, serve de guia para a nossa personagem principal!

 

1.png

 

 

 

 

20180804_114814.jpg

 

Olá a todos bem-vindos a mais uma opinião. Hoje temos “O Fim da Inocência II” de Francisco Salgueiro, edição Oficina do Livro. Este livro foi escolhido no Instagram como uma das leituras para este mês de Outubro.

Este livro sendo independente do primeiro, segue o mesmo tema: a vida adolescente nesta época de Internet, Smatphones, Redes Sociais e Likes. Aqui contamos com o relato de um jovem, Gonçalo, que nos vai contando como foi a sua vida de adolescente e como esta foi mudando tão rápido e sempre para pior.
Ao ler estes relatos tive sempre dois pensamentos bem diferentes. Numa página pensava: “Também queria ter uma adolescência destas, isto é que é curtir”! Na página seguinte e após mais uma revelação estonteante, ficava-me pelo: “Ainda bem que não passei por isto!”.

 

“As mensagens hardcore… bem, eram isso mesmo. Fotografias, às vezes vídeos delas nuas, delas a fingirem que se masturbavam ou a beijarem a melhor amiga na boca. Muitas eram montagens, outras eram mesmo reais. Os textos que acompanhavam as mensagens eram também muito directos: «Queres foder?», «Quero fazer-te um broche», «Quero que me comas» Sim, as raparigas tinham entre os 12 e os 15 anos. Isto é normal hoje em dia, e uma aberração no tempo dos nossos pais.”