Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

agrandesolidão.jpg

 

 

 

Olá pessoal, vamos lá falar de mais uma leitura que fiz no mês de Outubro, neste caso a quinta. Volto a uma das minhas escritoras favoritas e que, felizmente, também já se ouve falar muito por esse bookstagram fora. Falo-vos de Kristin Hannah. Como já disse várias vezes eu não leio regularmente desde criança, só comecei bem mais tarde, em finais de 2012 (é que nem os de leitura obrigatória eu lia), mas Kristin Hannah foi uma das primeiras autoras que me marcou e da qual queria ler mais e mais.

Depois de me estrear com “Estrada da noite” (título original: Night Road) em 2014, fiquei com a ideia das pessoas com quem falava sobre livros (que também não eram assim tantas, diga-se) que ninguém a conhecia, o que depois daquilo que eu tinha lido, se não era crime, pelo menos devia dar direito a uma multa pesada. Como devia dar multa estar tanto tempo sem pegar em nenhum livro dela, que foi o que fiz, uma vez que só voltei a ler algo desta autora este ano: “O Regresso” (título original: Home Front).

Para compensar, este ano já li dois e é desse segundo que vamos falar agora: A Grande Solidão (originalmente, The Great Alone), na edição Círculo de Leitores. Posso já começar os elogios ou falo um bocadinho das personagens e da história? Se calhar começo pela história…

A nossa história começa em 1974 quando a família Allbright, composta por Cora (a mãe), Leni (a filha) e por Ernt (o pai) que é quem decide mudar-se para o Alasca para procurar fugir da confusão da cidade depois de voltar da guerra do Vietname. Claro que trocar a confusão citadina pelo Alasca parece um passo rumo a uma vida com menos stressante.

 

1.png

 

 

 

 

IMG_20190930_130326.jpg

 

 

Olá pessoal, vamos lá falar daquilo que mais gostamos? Não, não é de chocolate (embora seja uma luta muito renhida cá em casa entre estes dois…), mas sim de livros! O livro de hoje é “Tu” (título original: “You”, ninguém diria!) de Caroline Kepnes, editado em Portugal pela Editorial Presença, que foi a minha quarta leitura do mês de Outubro.

Este livro já foi adaptado para série pela Netflix e eu até já vi o primeiro episódio (claro que só depois de ter acabado o livro). Aliás, foi por sugestão de quem viu a série que eu fiquei curioso em comprar o livro. E adorei-o, mas já lá vamos… Pela sinopse ficamos a saber que a história ganha forma a partir do momento em que Joe vê entrar na livraria onde trabalha Guinevere Beck, Beck para os amigos.

1.png

 

 

 

 

nofinalmorremosdois.jpg

 

 

Olá pessoal, bem-vindos a mais uma opinião! Então como estão essas leituras de Outono?! Hoje venho falar da minha terceira deste mês “No Final, Morrem os Dois” (título original: They Both Die At The End) de Adam Silvera, editado em Portugal pela TopSeller. Primeiro que tudo (e por vezes esqueço-me de referir), que capa espectacular! À primeira vista, uma capa gira, pacífica, e quase que me passava despercebido a forma da sombra dos nossos dois personagens, um pequeno grande pormenor.

 

1.png

 

 

 

29segundos.jpg

 

 

Olá pessoal, como vai esse Outono em termos de leituras? Eu hoje venho falar da minha segunda leitura deste mês: “29 Segundos” de T.M. Logan, editado em Portugal pela HarperCollins Ibérica.

A história centra-se em Sarah que depois da boa acção de salvar uma menina recebe uma oferta do pai desta menina, no mínimo, estranha:  uma chamada, um nome e essa pessoa desaparece. A oferta é demasiado tentadora para o comum dos mortais, imaginem para Sarah que se vê assediada (de todas as maneiras e mais alguma) pelo seu chefe.

 

1.png

 

 

 

 

 

IMG_20190930_130244.jpg

 

 

Olá pessoal, preparados para mais uma opinião?! Nem eu… então vamos lá. Hoje é dia de falar daquela que foi a minha primeira leitura deste mês de Outubro, um dos livros mais falados do momento: “O Homem dos Sussurros” (título original: The Whisper Man) de Alex North (pseudónimo), editado em Portugal pela TopSeller.

Esta história começa com a chegada a Featherbank de Tom Kennedy e do seu filho Jake. Featherbank parece uma terra pacata, mas que esconde no seu passado, Frank Carter, um assassino em série que ficou conhecido como “O Homem dos Sussurros” porque à noite atraía as suas vítimas sussurrando-lhes à janela. Acabou detido, e lá continua há duas décadas. Até aqui caso resolvido e fechado, isto até outro rapaz ter desaparecido dois meses antes da chegada de Tom e Jake, em circunstâncias idênticas às de todos os outros que Frank Carter assassinou.

 

1.png