Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

20181111_140750.jpg

 

 

Olá a todos, bem-vindos a mais uma opinião, neste fim-de-semana bem chuvoso que para nós rima tão bem com horas de leitura ao som da chuva!

O livro de hoje chama-se “Siddhartha” de Hermann Hesse, Nóbel da Literatura em 1946, tendo eu edição da Leya na versão livro de bolso. Este livro entra naquela categoria (se calhar já é mesmo necessário criar essa categoria) de grandes livros pequenos. Gosto muito deste tipo de livros, já falámos aqui de alguns (O Alquimista, O Homem em busca de um Sentido, O Monge que Vendeu o Seu Ferrari), e este livro foi o que menos gostei de todos os que referi. E é isso mesmo, o que menos gostei, o que significa primeiro que tudo que gostei, o que é sempre bom, só não senti uma ligação tão grande como com os outros. Será possível que seja desgaste por explorar este tipo de histórias em “excesso”?! Talvez… O excesso de algo bom, não deixa de ser um excesso (e eu sei bem do que falo, tenho o mesmo problema com o chocolate)!

Nesta história temos Siddhartha, nascido na Índia, filho de um brâmane, que decide largar a vida luxuosa para partir à descoberta do Mundo e de si mesmo pelo caminho. Na sua viagem, por vezes acompanhado outras vezes sozinho, Siddhartha passa por muitas dificuldades, mas também por momentos de belo prazer e é na busca desse equilíbrio que ele vai vivendo e seguindo a sua vida até se tornar um ser iluminado, independente e cheio de sabedoria.

 

“Siddhartha tinha um único objetivo: ficar vazio, vazio de sede, vazio de desejo, vazio de sonho, vazio de alegria e de tristeza. Deixar-se morrer, não ser mais o Eu, encontrar a paz de um coração vazio, descobrir o milagre do pensamento puro, era o seu objetivo. Quando a totalidade do Eu estiver dominado e morto, quando todos os vícios e inclinações desaparecerem do coração, então despertará o mais profundo do Ser, aquilo que já não é o Eu, o grande segredo.”

 

 

20180804_114726.jpg

 

 

Olá e bem-vindos a mais uma opinião literária! Esta semana temos o outro livro que acompanhou “Menina Boa, Menina Má” de Ali Land nas leituras de Agosto. Como sempre digo, tento combinar todos os meses um livro de desenvolvimento pessoal com outro que seja um romance, a razão principal é para, no caso de ler dois romances ao mesmo tempo, não confundir as histórias e as personagens.

“O Monge que Vendeu o Seu Ferrari” é daqueles best-sellers, recomendados por muitas das pessoas mais bem-sucedidas do mundo. Entra naquela categoria de “livro pequeno, conteúdo enorme”, como “O Alquimista”“O Homem em Busca de um Sentido” por exemplo.

O enredo deste livro já começa a ser um padrão nestes livros de mudanças de estilos de vida: uma pessoa, um acontecimento trágico, uma mudança radical na sua atitude perante a vida, sucesso (dependendo do que cada um considera sucesso). Confesso que gosto e sou atraído para este tipo de histórias. Gosto de compreender o que leva as pessoas a fazerem mudanças tão radicais e, claro está, como é que o conseguem alcançar.

 

“— O que é a sorte, meu amigo? — redarguiu Julian, num tom carinhoso. — Não passa do casamento entre a preparação e a oportunidade.”

 

 

 

 

 

Olá a todos, hoje venho aqui responder a uma ideia espectacular criada pela mar (fiquei fã do blogue também, a lista "original" está aqui), mas da qual só tive conhecimento por um dos blogues que mais sigo: a mulher que ama livros (podem ver as suas escolhas aqui)! E agora vamos às minhas escolhas, espero que gostem!

 

 

1 - A pensar morreu um burro.

Um livro que enrolou, enrolou, enrolou e parecia nunca mais chegar ao fim.

 

Quando-o-Cuco-Chama.jpg

 

"Quando o Cuco Chama", de Robert Galbraith, o pseudónimo de J. K. Rowling. Não sei o que se passou entre mim e este livro, acho que foi uma relação do tipo "não és tu, sou eu", mas lembro-me de não ter gostado nada. Se calhar a culpa foi mesmo minha, pelo menos tendo em conta as opiniões que tenho lido por essa Internet. É pouco provável que lhe dê uma segunda leitura, mas nunca se sabe...

 

 

2 - Mais vale tarde que nunca.

Um livro de que não estavas a gostar muito, mas depois *puff fez-se luz* teve um final muito bom.

 

13 envelopes azuis.jpg

 

"13 Envelopes Azuis", de Maureen Johnson. Foi uma leitura recente e que tendo em conta o conceito que origina o desenrolar da acção me deixou curioso. Achei até perto do final uma história banal, mas melhorou muito perto do fim. Foi um livro que foi do 8 ao 80!

 

 

 

3 - Antes só que mal acompanhado.

Um livro único (stand-alone) espetacular.

 

13 minutos.jpg

 

"13 Minutos" de Sarah Pinborough. Mais um 13, só que este é um 13 de muita sorte. Adorei este livro, e mesmo quando já estava satisfeito com o suposto final, ainda me conseguiram surpreender na última centena de páginas e tornar este livro um dos meus favoritos deste ano! Recomendo como se não houvesse amanhã!

 

 

4 - A galinha do vizinho é sempre melhor que a minha.

Um livro muitas vezes comparado a livros ou sagas populares, mas que ficou um pouco abaixo das expectativas.

 

Escrito na água.jpg

 

"Escrito na Água" de Paula Hawkins. Desde logo por ser o segundo livro e talvez até por isso, as expectativas que carregava à conta do seu antecessor ( "A Rapariga no Comboio") fizeram com que ficasse um pouco abaixo das minhas expectativas. Gostei, mas não tanto como do primeiro livro da autora.

 

 

5 - Para bom entendedor meia palavra basta. 

Um livro curto, mas bom.

 

O-Homem-em-Busca-de-Um-Sentido.jpg

 

"O Homem em Busca de um Sentido" de Viktor E. Frankl. Devorei este livro. A forma como nos relata as atrocidades que viveu nos campos de concentração é de deixar qualquer um que não passou por aquilo, espantado com a forma como além de conseguir sobreviver ainda conseguiu criar uma terapia que mostra como o fez. Livro enorme!

 

 

6 -Todos os caminhos vão dar a Roma.

Um livrou e/ou universo literário para o qual gostavas de viajar.

 

 

Envelhenescer.jpg

 

"Envelhenescer" de Pedro Chagas Freitas. Quem não gostaria de ser levado para um país onde em vez de envelhecer, ficássemos mais jovens?! Talvez os recém-nascidos não gostassem... É com base nesta ideia doida que se desenrola toda a história e nota-se que o autor pensou em como esta mudança iria afectar tudo e todos no Mundo.

 

 

7 - Quem te avisa teu amigo é.

Recomenda três livros.

 

 

estrada-da-noite-lisboa.jpg

 vozes de chernobyl.jpgo fim da inocência.jpg

 

"Estrada da Noite" de Kristin Hannah: Foi um livro que comprei pelo Círculo de Leitores quase por acaso e ainda bem que esse acaso me deu o prazer de ler este livro. Este livro mexeu comigo desde o início e a certa altura deixou-me com raiva duma personagem (é capaz de ter sido a única vez que isso aconteceu). Adorei e acho que isto nas mãos de um bom realizador daria um bom filme.

 

"Vozes de Chernobyl" de Svetlana Alexievich. Este por se basear em relatos da população afectada pelo desastre nuclear que se abateu sobre eles. Foi para mim, uma grande lição de que temos de pensar nas populações primeiro antes de andarmos a brincar com coisas muito perigosas. Escrito de forma magistral, sentimos a dor de cada uma das pessoas, e por isso é um livro que considero essencial, mas que nem todos podem conseguir aguentar! 

 

"O Fim da Inocência" de Francisco Salgueiro. Este livro já deu origem a um filme (que ainda não vi), mas que para mim foi revelador e ao mesmo tempo assustador de ler a forma de pensar e agir da nossa juventude. Claro que não serão todos assim, mas eu pensava que nenhum jovem pensaria e agiria desta forma! Foi um grande abre-olhos para mim e acredito que o mesmo acontecerá a todos os que lerem este livro. Esperava que o cenário fosse mau, mas não tanto nem tão cedo.

 

 

Pronto chegámos a fim, espero que tenham gostado, comentem a vossa opinião sobre os livros que já leram, sobre outros que achem melhores ou mais marcantes para vocês. Agradecer novamente à criadora desta ideia muito original, visitem o blogue dela vale a pena! Muito obrigado. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

20180325_145410.jpg

 

 

         Olá e hoje é sexta-feira yeah e aqui no blogue significa mais uma opinião sobre um livro. O livro de hoje é recomendado por imensas pessoas como “leitura obrigatória”. E se era obrigatório, eu tinha que comprar e ler.

Achei-o na Feira do Livro do ano passado e dois dias depois tinha acabado de o ler. Não é um livro grande, mas é um grande livro, enorme mesmo, e que serve de lembrança de como foram os tempos da Segunda Guerra Mundial.

 

“Nós, que voltámos a casa, com a ajuda de muitas circunstâncias felizes ou de milagres — seja qual for o nome que escolhamos dar-lhes — nós sabemos: os melhores de entre nós não regressaram.”