Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

WOOK - www.wook.pt

RelatoDoMeuSuicídio1.png

 

 

Olá pessoal, como vão essas leituras? As minhas têm corrido a um ritmo superior àquele que tinha projectado no início do ano, mas ultimamente tenho abrandado o ritmo, ando muito cansado e quem sofre com isso são os livros. No entanto, tenho tido a sorte de ler livros muito bons e interessantes.

Neste caso temos uma leitura que escolhi para participar no projecto da @obsessoesliterarias, Livros com Alma Lusa. A ideia do projecto é, como em outros casos, promover os autores portugueses. Vou usar este projecto para promover tanto os meus autores favoritos, como autores menos conhecidos da maioria dos leitores portugueses. Ou seja, venham daí essas sugestões 😉!

Temos então “Relato do Meu Suicídio” de António da Costa, editado pela Cordel D’Prata. Nesta história, e como o título deixa antever, temos Afonso um homem de 38 anos que se sentem derrotado pela vida e decide suicidar-se, saltando da ponte da Arrábida.

 

RelatoDoMeuSuicídio2.png

 

 

 

 

 

 

OndeCantamOsGrilos1.png

 

 

Olá pessoal, como vão essas leituras?! Já passámos a metade do ano, quais foram os vossos livros favoritos até agora?! Vou confessar já que este ano tenho tido muitas boas leituras, poucas desilusões, mas também ainda não tive muitos daqueles livros que em 5 estrelas, valem 10 e que nos marcam para vida e dos quais não vamos esquecer a história (pelo menos até o Alzheimer decidir vir chatear a memória alheia).

Vamos então falar de “Onde Cantam os Grilos”, editado pela Cultura Editora e da autoria da portuguesa Maria Isaac. Nunca imaginaria que com este nome a autora fosse portuguesa, até porque há mais Marias na Terra (lá estou a abusar da minha sorte e a gozar com nomes, como se Nuno fosse um nome de jeito…). Esta é a história de Formiga, um bebé abandonado num cesto na Herdade do Lago. Herdade essa, já bem recheada de mistérios, lendas e maldições, muitas das quais serão abordadas e descobertas pelo então jovem Formiga.

 

OndeCantamOsGrilos2.png

 

 

 

 

 

 

 

aeducaçãodeeleanor1.png

 

Olá pessoal, bem-vindos a mais uma opinião. Como têm passado? Como estão essas leituras? Até agora qual é o vosso livro favorito de 2020? Contem-me tudo! O livro de hoje é um daqueles que passa imenso tempo na nossa lista de desejos e que até está várias vezes em promoção, mas que por qualquer razão tarda em chegar às nossas estantes. Digam-me que não é só comigo que isso acontece…

Finalmente decidi comprá-lo e, mais felizmente ainda, decidi participar no desafio da @chuvadeletras__ e da @randygirlstuff, #chooseforme. Em que é que consiste este desafio?! Então, são sorteados grupos de duas pessoas e cada um escolhe a leitura do seu par. Para o mês de Abril, o meu par sorteado veio directamente do Brasil (as maravilhas da Internet e das redes sociais), @amandasrefuge! Ou seja, a culpa é da Amanda! E ainda bem! Sendo assim, aqui temos “A Educação de Eleanor” (título original: Eleanor Oliphant is completely fine) de Gail Honeyman, editado em Portugal pela Porto Editora.

 

aeducaçãodeeleanor2.png

 

 

 

 

 

 

UmAmorDoPassado.jpg

 

 

Olá pessoal, continuam animados apesar de todos os constrangimentos com o coronavírus?! Mantenham a calma, não saiam mais do que o estritamente necessário e respeitem aqueles que como vocês querem fazer as suas compras de forma responsável e sem exageros para que tenhamos recursos para todos. Dito isto, vamos lá falar de livros!

Este mês decidi participar no desafio da @chuvadeletras_ e da @fantasy.world97, o #challengedomes. Este desafio consiste em ler um livro a cada semana durante 4 semanas. Em cada uma dessas semanas, são-nos dados a escolher dois géneros. Nesta primeira semana os dois géneros à nossa escolha eram Romance ou Juvenil. Eu escolhi o primeiro. E porquê? Porque é mais uma desculpa que eu arranjo para um novo livro de Kristin Hannah! E assim foi com “Um Amor do Passado” (título original: “Home Again”) edição Círculo de Leitores

 

UmAmorDoPassado1.png

 

 

 

 

 

Imortal.jpg

 

 

Olá pessoal, vamos lá falar de coisas sérias: como estão os vossos planos de leitura anual a correr? Dentro do esperado? Eu, para já, estou a ler mais do que tinha previsto com o meu objectivo anual no Goodreads. Quando isto vos acontece, vocês aumentam o número e a expectativa ou deixam estar como definiram no início do ano? O livro de hoje, é só o mais recente de um dos meus autores favoritos e que (eu sei que já disse isto umas mil vezes) foi o responsável pela descoberta do meu amor pelos livros. Parece surreal pensar em como era eu sem livros, ou seja, antes de 2012…

Pois bem, temos então “Imortal” de José Rodrigues dos Santos, editado em Portugal pela Gradiva. Este livro foi mais uma das minhas prendas de Natal (já só me falta ler um, que vai ser lido agora em Março) e é sempre uma boa leitura mesmo antes de abrir a primeira página.

 

Imortal1.png

 

 

 

 

 

 

OAmanteJaponês.jpg

 

 

Olá pessoal, como vão essas leituras?! Por aqui, quem é fã de Isabel Allende? O que mais gostam nos seus livros e na sua escrita? Pois bem, hoje venho falar do primeiro livro que li desta autora e que foi uma das prendas de Natal que me ofereceram. Pelos vistos (nem percebo como…) para os meus amigos já está a ficar complicado escolher um livro que eu não tenha, logo eu, que ainda tenho poucos livros… Quem também tem amigos a passar por este problema? Façamos um minuto de silêncio em solidariedade para com as dificuldades desses nossos amigos!

Foi por esta razão que “O Amante Japonês” (Título original: El amante japonés) de Isabel Allende veio cá parar a casa. Editado em Portugal pela Porto Editora, este livro conta-nos a história de amor entre Alma e Ichimei que se conhecem na casa dos tios de Alma nos Estados Unidos porque esta foi enviada para lá para fugir da Polónia em 1939, e porque Ichimei era filho do jardineiro nessa mesma casa.

 

OAmanteJaponês1.png

 

 

 

 

 

agrandesolidão.jpg

 

 

 

Olá pessoal, vamos lá falar de mais uma leitura que fiz no mês de Outubro, neste caso a quinta. Volto a uma das minhas escritoras favoritas e que, felizmente, também já se ouve falar muito por esse bookstagram fora. Falo-vos de Kristin Hannah. Como já disse várias vezes eu não leio regularmente desde criança, só comecei bem mais tarde, em finais de 2012 (é que nem os de leitura obrigatória eu lia), mas Kristin Hannah foi uma das primeiras autoras que me marcou e da qual queria ler mais e mais.

Depois de me estrear com “Estrada da noite” (título original: Night Road) em 2014, fiquei com a ideia das pessoas com quem falava sobre livros (que também não eram assim tantas, diga-se) que ninguém a conhecia, o que depois daquilo que eu tinha lido, se não era crime, pelo menos devia dar direito a uma multa pesada. Como devia dar multa estar tanto tempo sem pegar em nenhum livro dela, que foi o que fiz, uma vez que só voltei a ler algo desta autora este ano: “O Regresso” (título original: Home Front).

Para compensar, este ano já li dois e é desse segundo que vamos falar agora: A Grande Solidão (originalmente, The Great Alone), na edição Círculo de Leitores. Posso já começar os elogios ou falo um bocadinho das personagens e da história? Se calhar começo pela história…

A nossa história começa em 1974 quando a família Allbright, composta por Cora (a mãe), Leni (a filha) e por Ernt (o pai) que é quem decide mudar-se para o Alasca para procurar fugir da confusão da cidade depois de voltar da guerra do Vietname. Claro que trocar a confusão citadina pelo Alasca parece um passo rumo a uma vida com menos stressante.

 

1.png

 

 

 

 

nofinalmorremosdois.jpg

 

 

Olá pessoal, bem-vindos a mais uma opinião! Então como estão essas leituras de Outono?! Hoje venho falar da minha terceira deste mês “No Final, Morrem os Dois” (título original: They Both Die At The End) de Adam Silvera, editado em Portugal pela TopSeller. Primeiro que tudo (e por vezes esqueço-me de referir), que capa espectacular! À primeira vista, uma capa gira, pacífica, e quase que me passava despercebido a forma da sombra dos nossos dois personagens, um pequeno grande pormenor.

 

1.png

 

 

 

Confesso.jpg

 

 

Olá pessoal, como vão essas leituras? Essas férias têm trazido boas leituras? Devo confessar que, embora não esteja de férias, tenho conseguido ler mais e estou bastante contente com os livros que tenho lido ultimamente. Hoje falo-vos daquele que foi a minha primeira leitura deste mês de Agosto: “Confesso” de Colleen Hoover editação portuguesa da Topseller e vencedor do prémio melhor romance 2015 do Goodreads.

Colleen Hoover é uma das escritoras mais faladas em Portugal nos dias que correm, tem uma legião de fãs e os seus livros são dos que mais se vêem reviews nas redes sociais. Com visita marcada para Lisboa no dia 11 de Novembro, muitos dos seus fãs já se encontram em alvoroço para que esse dia chegue depressa.

No entanto, não foi por nada disto que acabei por ler este livro. A história de como este livro acabou na minha estante já está no Instagram é só irem lá espreitar! Vamos então à história.

 

 

1.png

 

 

 

 

 

nãohácoincidências.jpg

 

Olá pessoal, como estão essas leituras de Verão?! Eu hoje trago-vos a minha primeira leitura do mês de Julho. Este livro foi um presente de aniversário, sendo propositadamente um tipo de livro fora da minha “zona de conforto” literária. Fala-vos de “Não Há Coincidências” de Margarida Rebelo Pinto.
Tanto a autora como o livro já são bastante conhecidos da maioria dos leitores portugueses. A Autora já conta com mais de uma dezena de romances publicados e este livro foi um dos seus maiores sucessos, publicado há quase 20 anos, ainda no tempo dos escudos (juventude, lamento, se não sabem o que era isto, google it).

Eu admito que até sou um bocado preconceituoso com este tipo de romances em geral, em que tudo é amor, onde há uma luta dos personagens principais, contra tudo e contra todos, para que a relação sobreviva e que acaba com um “E viveram felizes para sempre”. Com isto não quero dizer que esse tipo de romances não presta ou que não tem qualidade ou que é lixo literário. Há espaço e gostos para tudo, para mim nunca será um caso de “ou estás comigo ou estás contra mim”.
No entanto, este livro está longe de ser aquilo que o meu preconceito antecipava. Embora não reinvente a roda, este livro foge muito da norma e do politicamente correcto, principalmente para um livro que já é maior de idade!

Temos então Vera, a nossa personagem principal, que tem uma vida amorosa completamente caótica: está prestes a casar com Tiago, tem um caso com Luís, mas o seu grande amor, desde sempre, é João. Para piorar, numa viagem de trabalho ao Porto, ainda se apaixona por Manel!

 

“O Tiago aceita estes almoços com a naturalidade que lhe é própria e que não conheço em mais nenhum homem. Já teve alguns ciúmes, quando começámos a andar, mas desde que o conheceu diz que não se intimida. E o mais engraçado é que é verdade, porque o Tiago nem pensa em disfarçar o que sente. Não é por aí que passa o seu orgulho. Se se sentisse de algum modo tocado, não hesitaria em protestar. Mas não. Fala do João com à-vontade e simpatia. Aceita a minha antiga paixão por ele como um património natural e inevitável da minha existência e leva o caso com uma souplesse invejável. Mas só porque me sabe próxima dele e está seguro de si. Felizmente há homens assim. Qualquer outro já me teria feito uma cena de ciúmes à antiga portuguesa por causa dos meus almoços com o João, que volta e meia assinalam a minha existência. Como ele não faz fitas, eu não lhe faço segredo e não há mistérios. Bem, não estou a ser completamente honesta. O Tiago não sabe que existe o Luís. Mas também porque é que tinha de lhe contar? Não somos casados, não jurámos nem fidelidade nem amor eterno. Bem, ainda não chegámos a esse ponto.”