Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

20180510_141732.jpg

 

 

 

         Aí está ela finalmente, a bela sexta-feira! Estava difícil! Difícil também estava a conclusão deste livro. Não sei se convosco acontece, mas comigo, de vez em quando aparece um livro que pode nem ser melhor do que aquele que estou a ler, mas como é “fresco” e me deixa mais curioso, começo a lê-lo e deixo o anterior de lado. Quem teve esse azar desta vez foi “Vaticanum” de José Rodrigues dos Santos que se viu ultrapassado por “The Game” de Neil Strauss. Dois livros completamente opostos: um relata a vida de um artista de engate, o outro conta uma história em torno do Papa e do Vaticano.

         Desde a minha apresentação aqui no blogue que tenho dito que José Rodrigues dos Santos foi o responsável pelo despertar, tardio, do meu gosto pela leitura. Gosto da forma como consegue construir uma boa história com acção, suspense, medo e ainda usa factos verídicos para tornar tudo muito mais real.

 

“O Vaticano viu-se enredado numa rede de negócios muito questionáveis. Com dinheiro que se supõe ser da mafia e usando o banco do Vaticano como máquina de lavar, Sindona criou uma holding que serviu para adquirir uma série de bancos, como a Banca Privata e a Banca Unione em Itália, e na Suíça o Amincor de Zurique e o Banque de Financement de Genebra, do qual a Santa Sé detinha um terço. Esse aliás tornou-se o modelo que Sindona e o Vaticano usaram nas aquisições de bancos. Uma fatia ia para um e a outra ia para o outro. Uma vez com os bancos nas mãos, Sindona começava a transferir para o banco do Vaticano verbas das contas dos depositantes sem o conhecimento dos respetivos titulares.”

 

20180622_130821.jpg

 

 

Olá a todos, bem-vindos a mais uma sexta-feira de opinião sobre um livro aqui no blogue. Este livro apareceu na minha lista de desejos enquanto via uns vídeos do seu autor no YouTube. Além de ter demorado mais de um mês a chegar ainda foi a razão para ter deixado o “Vaticanum” em espera.

O autor chama-se Neil Strauss é jornalista e, obviamente, escritor. O livro chama-se “The Game” e é o seu relato de como foram os seus dias enquanto “artista de engate”. Devo dizer eu quando comprei o livro já tinha pesquisado sobre o seu conteúdo e lido algumas opiniões sobre ele, isto porque eu não queria um guia de como “engatar” o sexo oposto (até porque para isso preciso mesmo é dum milagre). Tinha mesmo curiosidade por saber quem é que são este tipo de pessoas, principalmente porque nos vídeos que vi de Neil, ele pareceu-me uma pessoa inteligente, bem longe da ideia pré-concebida dos “engatatões” que habitualmente vemos por aí.

 

 

LeiturasMaio.jpg

 

 

 Olá a todos, eu sei que o mês já vai a quase a meio, mas aqui estão as minhas leituras de Maio. Temos um dos autores que mais sigo e o responsável pelo despertar do meu gosto pela leitura e depois temos um livro para aprofundar aquilo que já tinha aprendido no livro de Tony Robbins.

 

 

"Vaticanum" de José Rodrigues dos Santos 

 

 

SINOPSE:

 

Um comando do estado islâmico entra clandestinamente no Vaticano e o Papa desaparece. Horas depois surge na internet um vídeo em que os terroristas mostram o Sumo Pontífice em cativeiro e fazem um anúncio chocante: O PAPA SERÁ DECAPITADO EM DIRECTO À MEIA-NOITE. O relógio começa a contar. O rapto do Papa desencadeia o caos. Milhões de pessoas saem à ruas, os atentados sucedem-se, mutiplicam-se os confrontos entre cristãos e muçulmanos, vários países preparam-se para a guerra. 

Apanhado no epicentro da crise quando trabalha nas catacumbas da Basílica de São Pedro, Tomás Noronha vê-se envolvido na investigação para descobrir o paradeiro do Papa e cruza-se com um nome enigmático: OMISSIS. A pista irá conduzi-lo ao segredo mais sombrio da Santa Fé.

Usando informação genuína para nos revelar o que se esconde nos bastidores do Vaticano, o escritor preferido dos portugueses está de regresso com o thriller do ano. Com Vaticanum José Rodrigues dos Santos mostra mais uma vez por que razão é considerado mestre do mistério real.

 

 

 

 

EXPECTATIVA:

 

Sempre que leio José Rodrigues dos Santos é como que um regresso ao passado e ao primeiro momento em que peguei no primeiro livro que li dele "A Mão do Diabo" e pensei: o que será que vem aí? Se no primeiro de todos não fazia ideia, agora a questão levanta-se na mesma mas com a ideia de qual será a forma como este romance me irá surpreender, informar e prender desta vez. Para mim será sempre sinónimo de um tempo muito bem passado.

 

 

 

 

"Como Fazer Crescer O Seu Dinheiro Ao Longo Da Vida" de Pedro Barata

 

 

SINOPSE:

 

Poupar para a reforma é obrigatório, especialmente quando não se quer perder qualidade de vida. Não precisa de muito dinheiro, mas precisa de saber como o multiplicar a caminho de uma reforma tranquila e desafogada.

Neste guia vai encontrar todas as dicas que não dependem do perfil de risco, mas apenas da idade que tem.

Pedro Barataperito em mercados financeiros e gestor de fundos de investimento, com mais de duas décadas de experiência, ensina-lhe tudo o que precisa de saber sem sacrifícios ou angústias.

Quanto precisa de poupar?
Em que investir?

Como?

Durante quanto tempo?

Quando começar?

É um dos assuntos que mais preocupam os portugueses: as reformas pagas pelo Estado têm vindo a diminuir e ninguém sabe como serão sustentadas dentro de 10 anos, muito menos daqui a 20 ou 30. Nem de quanto serão.

Só há uma entidade capaz de lhe garantir uma reforma minimamente equivalente ao seu actual ordenado, de modo a poder manter o seu nível de vida. Essa entidade é você mesmo.

«Planear financeiramente a reforma quando ainda é jovem é uma ajuda preciosa para conseguir não baixar o nível de vida quando se reformar [...] Se tiver tempo suficiente para capitalizar os rendimentos das suas aplicações eles vão-se multiplicando de tal forma que o resultado final é muitas vezes surpreendente.»

«Não necessita de ser um génio da finança nem um sobredotado [...] uma estratégia simples, mas bem implementada, é suficiente para conseguir fazer muito pela sua poupança.»

 

EXPECTATIVA:

 

Quando li o livro de Tony Robbins e na análise que lhe fiz, disse que precisava de um livro que me ensinasse como funcionam as coisas no nosso sistema financeiro. Este foi o livro que escolhi e é essa exactamente a expectativa que tenho sobre ele, embora espere alguma repetição de temas.