Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carola Ponto e Vírgula

Carola Ponto e Vírgula

Demência.jpg

 

Olá a todos, hoje é dia de voltar a falar de mais uma leitura. Esta foi a primeira leitura de Junho e um dos livros mais recentes na minha estante. Tem sido um dos livros mais falados nos blogues e Instagrams literários: “Demência” de Célia Correia Loureiro, editado pela Coolbooks.

Uma das razões que me fez comprar este livro (além das reviews bastante positivas) foi tratar-se de um tema bastante actual e que ganha cada vez mais preponderância na sociedade e eu fico sempre muito curioso por saber mais sobre a forma como esta realidade interfere na vida do próprio doente e de toda a família ao seu redor.

No caso da nossa história temos Letícia e Olímpia, a primeira foi vítima de violência doméstica por parte do filho da segunda, filho esse que foi morto por Letícia, um crime pelo qual foi ilibada. No entanto e com os primeiros sinais da doença de Olímpia, Letícia vê-se obrigada a regressar e a prestar assistência à sogra.

 

“Bastou aquele gemido da velha para que os três tivessem uma confirmação. Esperavam que dissesse que torcera um pé e que, por isso, não se podia deslocar até aos currais. Mas a vizinha limitava-se a não compreender que a causa da morte dos animais era a sua ausência.

— Há mais de uma semana que não vai ao curral, dona Olímpia. Não a temos visto por lá e os animais vão morrendo à fome.

— Que animais é que morreram à fome? Então eu não vou lá todos os dias? Já lá fui hoje e daqui a nada já lá vou de novo. – Olímpia expressava-se como se a injuriassem.

— Agora que caiu a noite é que lá ia, para partir um pé e ficar um mês de cama? – sibilou Zé, sem que Salomé o chamasse à razão.

De súbito, também ela pareceu impaciente, vindo-lhe à ideia a roupa que deixara estendida.

Olímpia prosseguia, irritada:

— Eu vou lá quando eu quiser, os animais são meus. Não tenho marido nem pai que me dêem ordens.

Salomé acenou ao marido. Não valia a pena, estavam a enervar a pobre mulher.

— Quer que vá consigo amanhã ao curral, para a ajudar?

— Eu não preciso de ajuda nenhuma, nunca precisei. — Pondo-se de pé, a idosa pegou na toalha e nos utensílios para bordar e voltou-lhe as costas.

Ao fechar a porta atrás de si, ainda a ouviram tartamudear:

— Agora querem ver que estou maluca?”

 

 

 

 

conan osíris.jpg

 

 

É uma merda, lamento, mas realmente é uma merda! Isto não querendo ofender ninguém, nem a própria merda…

É uma merda que a indignação de um povo inteiro não seja para com os números de mortes resultantes de violência doméstica. Uma merda maior é quando quem ofende, bate e mata ainda consegue sair impune e ainda lhe vê retirada, lá está, a merda duma pulseira electrónica (Sr. Juiz “da merda” agora só me processa se achar que é mesmo isso: uma merda!)

E a merda que não é ver que ninguém incendeia as redes sociais (e porque não o Parlamento?!) por ver a merda de um Novo Banco (que ainda me lembro de ser classificado como o “Banco Bom”) ainda precisa de uma nova injecção de mais de mil milhões de euros. E depois para as injecções dos doentes e para os enfermeiros não há dinheiro?! Que merda é esta?!

Outra merda que me faz uma confusão do car… catano, é ver que a solidariedade de um país inteiro para com Pedrogão não chegou a quem mais precisava, e que mais uma vez, muita gente (será que podemos chamar gente a esses montes de merda?!) encheu os bolsos à conta da miséria alheia.

E no fim de tudo isto, o que mais revolta uma nação inteira é que quem vença a merda (não depreciativo ou descritivo do evento) de um Festival da Canção, seja um rapaz que fez aquilo que lhe apeteceu, e que para espanto dele há alguém que goste e vote naquilo que ele fez (já viram as entrevistas após a meia-final e a final?!)!

Para mim a música até pode ser uma merda (sendo ou não sendo, a minha opinião vale uma merda para o assunto), mas com tanta merda que realmente me preocupa, vou-me preocupar com uma música?! Continuem só a olhar para a merda dos telemóveis…